Boldo-do-Chile: benefícios e propriedades medicinais

O boldo-do-Chile (Peumus boldus) é uma planta medicinal também conhecida como boldo-medicinal, boldo-da-terra, boldo, boldu, boldus, boldoa, boldina, baldina e molina. Inclui os sinônimos botânicos Boldea fragrans e Peumus fragrans. Pertence a família Monimiaceae.

Benefícios do boldo

O boldo-do-Chile sempre foi utilizado na medicina popular chilena e peruana para tratar problemas no fígado, intestino e problemas da vesícula biliar. Possui propriedades medicinais para expulsar vermes intestinais, curar insônia, reumatismo, cistite, resfriado, hepatite, prisão de ventre, flatulência, má digestão, cálculos biliares, dores de ouvido e é considerado um tônico geral. Também é usado para o tratamento de desordens digestivas, como laxante e diurético, para problemas hepáticos e para aumentar a produção de bile na vesícula biliar.

Usos tradicionais do boldo-do-Chile para distúrbios no estômago e fígado

O botânico Dr. James Duke, documentou os usos tradicionais do boldo-do-Chile para o tratamento de inflamações urogenitais, gonorreia, sífilis, gota, icterícia, dispepsia, reumatismo, resfriados e dores de ouvido. No Brasil, o boldo é usado para uma variedade de distúrbios, inclusive hepatite, congestão hepática, constipação, flatulência, tontura, dores no estômago, cólicas intestinais, cálculos biliares, insônia, reumatismo e falta de apetite. O boldo é muito utilizado no mercado de plantas medicinais como fitoterápico indicado para o tratamento de cálculos e inflamação da vesícula biliar, além de muitos tipos de problemas no fígado, estômago e distúrbios digestivos.

Na Europa (principalmente na Alemanha), o boldo é utilizado para curar problemas do fígado e vesícula biliar, distúrbios gástricos e para estimular a secreção gástrica (especialmente a produção e secreção biliar na vesícula biliar e fígado). Também é consumido para inibir o apetite e como antiespasmódico.

Chá de boldo-medicinal

O consumo do chá amargo da folha de boldo-do-Chile antes das refeições melhora a digestão, beneficia o coração, protege, desintoxica e estimula o fígado, reduz os gases intestinais, evita a azia, estimula a produção de bile e fortalece a vesícula biliar, reduz a inflamação, expulsa vermes, mata parasitas, aumenta o fluxo de urina, alivia as dores, além de dissolver gorduras. O ascaridol, substância presente no boldo-do-Chile, ajuda a combater os vermes intestinais.

Contraindicações e efeitos colaterais do boldo-do-Chile

Pessoas com cálculos biliares devem procurar ajuda e aconselhamento de um profissional de saúde qualificado antes de se automedicarem com boldo-do-Chile, vez que a erva produz um efeito tão forte sobre a vesícula biliar que pode fazer com que a mesma libere pedras rapidamente, o que possivelmente pode causar uma obstrução nos ductos biliares abaixo da vesícula ou até mesmo danificar o pâncreas. É mais bem aproveitado quando consumido em pequenas quantidades e em combinação com outras ervas, fator que ameniza seus efeitos colaterais.

O boldo-do-Chile demonstrou ser abortivo e causou defeitos congênitos em estudos com animais, portanto, não deve ser usado durante a gravidez ou fase de amamentação. Os constituintes químicos presentes no boldo-do-Chile podem afinar o sangue, portanto, pacientes que fazem uso de medicamentos para afinar ou que possuem doenças com tendência a diluir o sangue (tais como hemofilia ou trombocitopenia) não devem consumir o chá de boldo-do-Chile. O boldo possui efeito diurético e é contraindicado para uso a longo prazo. Doses elevadas devem ser evitadas.

História e curiosidades

O boldo-do-Chile é uma erva nativa da América do Sul muito usada para o tratamento de problemas de indigestão. É uma árvore perene arbustiva de crescimento lento, que produz pequenos frutos. Cada espécime possui apenas um sexo e, portanto, mudas de diferentes sexos devem ser plantadas próximas umas das outras, para estimular a reprodução.

O boldo-do-Chile é encontrado nas regiões andinas do Chile e do Peru, mas também cresce selvagem em algumas regiões do Marrocos. É cultivada na Itália, Brasil e norte da África, vez que a demanda por suas folhas medicinais é muito alta.

Referências:
Boldo – Peumus Boldus. Duke’s Handbook of Medicinal Plants of Latin America. James Duke.

Comentários

3 Comentários

  1. sergio a faroni

    O peumus boldus que conheço, não é igual ao da foto acima e é aparentemente, uma suculenta.
    Forma arbustos baixos de no máximo 60 cm de altura, com seus ramos equidistantes entre si . Conhecido também como principio do medicamento Dipirona. Estou enganado? Por favor retorne.

    • Olá Sérgio,

      A foto que ilustra a postagem de fato se refere ao boldo-do-chile (Peumus boldus), inclusive foi fotografada na Isla Illeifa (Chile), no ano de 1987, segundo o próprio autor. O que ocorre são mudanças na aparência das folhas de acordo com o habitat e forma de cultivo, ou até mesmo cultivo de espécies similares, o que pode confundir um pouco. Atenciosamente, Equipe Medicina Natural.

Comentar