Chá de cipó-cravo: efeitos e propriedades afrodisíacas

O cipó-cravo (Tynnanthus fasciculatus) é uma planta medicinal nativa da Mata Atlântica brasileira, sendo também conhecida como cipó-trindade e clove vine (inglês). Pertence à família Bignoniaceae.

Benefícios e propriedades afrodisíacas do cipó-cravo

O cipó-cravo é considerado um poderoso estimulante sexual natural, vez que aumenta o fluxo sanguíneo na região dos órgãos genitais. Nos homens, isso significa uma ereção mais duradoura e potente. No caso das mulheres, os efeitos incluem aumento da libido e maior intensidade no desejo sexual. Desta forma, o cipó-cravo contribui diretamente para a melhora da vida sexual do casal, tornando a prática sexual mais frequente e satisfatória para ambos. Estudos também comprovaram uma poderoso ação anti-helmíntica da liana, capaz de combater diversas parasitoses.

Além de ser um afrodisíaco nativo do Brasil, o cipó-cravo também é rico em propriedades analgésicas, característica que faz com que a Tynanthus fasciculatus apareça frequentemente nos estudos científicos das universidades brasileiras. O chá de cipó-cravo também contribui muito com o alívio gastrointestinal, causando um alívio quase imediato nos sintomas relacionados à má digestão. Nestes casos, é capaz de diminuir dores abdominais, gases intestinais, inchaços, além de reduzir os demais sintomas da gastrite. As propriedade analgésicas do cipó-cravo aliviam diferentes dores, tais como as decorrentes da artrite e artrose, mas não curam o problema em sua essência. Além disso, a planta possui conhecida ação antirreumática, digestiva, estimulante e fortificante.

Estimulantes Sexuais Estimulantes Combatem a impotência e a ejaculação precoce, além de melhorarem o desempenho.
Afrodisíacos Afrodisíacos Produtos naturais para aumentar a libido e o desejo sexual.
Libiforce Libiforce Man Estimulante sexual masculino sem contraindicações. Fórmula exclusiva.

Libiforce Man

Libiforce Man 800mg é totalmente natural e não possui nenhum tipo de contraindicação, além de ser considerado um dos melhores estimulantes sexuais para homens do mercado, capaz de proporcionar uma vida sexual mais ativa e saudável, além de combater a impotência. Produto exclusivo. Clique aqui para saber mais sobre Libiforce Man.

Contraindicações e efeitos colaterais do cipó-cravo

Não existem contraindicações identificadas para a Tynnanthus fasciculatus, contudo, é fundamental que um médico seja consultado caso o usuário sinta efeitos adversos ou apresente alguma condição especial de uso de medicamentos ou doenças crônicas. Mulheres grávidas e lactantes também não devem consumir nenhum produto sem orientação, assim como crianças e pessoas com problemas cardíacos, diabéticos e hipertensos. A alta concentração de taninos pode representar um risco em seu consumo, contudo, estudos adicionais são necessários.

Curiosidades

A Tynanthus fasciculatus é nativa da Mata Atlântica, sendo encontrada sobretudo na região Sudeste do país, nos estados do Espírito-Santo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. O cultivo natural acontece em solos arejadas, secos e sob a sombra. O nome popular foi inspirado em seu odor, que se assemelha muito ao do cravo, embora a sua estrutura seja mais semelhante com a do cipó.

AUMENTA A MASSA MUSCULAR / TESTOSTERONA Tribulus terrestris High Energy
AFRODISÍACO NATIVO DA FLORESTA AMAZÔNICA Marapuama em Cápsulas
ATIVADOR SEXUAL FEMININO PREMIUM Vênus Mulher
CATUABA, MARAPUAMA, CIPÓ-CRAVO E GUARANÁ Sexotone
ESTIMULANTE / AUMENTA A MASSA MAGRA Tribulus com Maca Peruana
Referências:
Melo, Fabiana, et al. “The effects of Tynnanthus fasciculatus (Bignoniaceae) infusion on testicular parenchyma of adult Wistar rats.” Biological research 43.4 (2010): 445-450.
Carvalho, Camilo, et al. “Cipó-cravo (Tynnanthus fasciculatus Miers–Bignoniaceae): estudo fitoquímico e toxicológico envolvendo Artemia salina.” Revista Eletrônica de Farmácia 6.1 (2009).
Amorim, A., H. R. Borba, and L. M. Amano. “Ação anti-helmíntica de plantas IV. Influência da casca do caule de cipó-cravo (Tynnanthus fasciculatus Miers; Bignoniaceae) na eliminação de Vampirolepis nana e de oxiurídeos em camundongos.” Rev. Bras. Farm 72.4 (1991): 92-94.

Comentários

Comentar