Melilotus officinalis (MELILOTO)

Melilotus officinalis

Nomes populares

Meliloto, trevo-amarelo, trevo-cheiroso, trevo-doce, trevo-doce-amarelo, trevo-melilotinho (Portugal), melilot, yellow sweet clover (Estados Unidos), mélilot, trèfle odorant (França), meliloto giallo (Itália), gelber steinklee (Alemanha).

Sinônimos botânicos

Melilotus arvensis, Melilotus ceruleus, Melilotus mellilotus, Trifolium officinale.

Família

Fabaceae

Partes usadas

folhas, flores, sementes.

Usos tradicionais

  • Alívio de dores reumáticas.
  • Alívio de edemas.
  • Combate a infecções respiratórias.
  • Tratamento de contusões.
  • Tratamento de varizes.

Propriedades medicinais da Melilotus officinalis

  • Adstringente (constringem tecidos e fecham poros na pele; causa constrição de mucosas na boca; contrai vasos capilares).
  • Anti-inflamatório (combate a inflamação nos tecidos).
  • Antiespasmódico (inibe a motilidade da musculatura visceral, prevenindo a ocorrência de espasmos no estômago, intestino, útero ou bexiga).
  • Antisséptico (impede a contaminação e combate a infecção; inibe a proliferação de microrganismos presentes na superfície da pele e mucosa).
  • Expectorante (facilita a saída de secreções por via respiratória).

Preparações

chá, compressas, extratos, infusões, tinturas.

FIGAPRO

Figapro é o suplemento alimentar mais utilizado no Brasil para auxiliar a eliminar gordura do fígado e melhorar o funcionamento do sistema digestivo.

Contraindicações e efeitos colaterais

Pode causar sangramentos em altas doses. Evitar uso durante a gravidez e lactação.

Fitoquímicos

cumarina, flavonoides, taninos, triterpenos.

Curiosidades

– O meliloto é conhecido por suas propriedades anticoagulantes, devido à presença de cumarina. Essa substância pode interferir na coagulação sanguínea. Contudo, em doses controladas, é útil no tratamento de condições circulatórias e na prevenção de tromboses. O uso medicinal deve ser monitorado por um profissional de saúde.

– Durante a Idade Média, o meliloto era amplamente utilizado como planta medicinal e também na culinária. Suas folhas e flores eram adicionadas a diversos pratos. Era comum o uso em saladas e chás, aproveitando seu sabor adocicado. Atualmente, seu uso na alimentação é menos comum, sendo mais valorizado pelas suas propriedades medicinais.

– O meliloto também desempenha um papel importante na apicultura. Suas flores são uma fonte rica de néctar para as abelhas, contribuindo para a produção de mel de alta qualidade. O mel produzido a partir do néctar do meliloto possui um sabor suave e propriedades medicinais, sendo valorizado em diversas culturas.

– O Melilotus officinalis também é utilizado na agricultura como planta de cobertura verde. Suas raízes ajudam a fixar o nitrogênio no solo, melhorando sua fertilidade. Além disso, a planta ajuda a prevenir a erosão do solo e a controlar o crescimento de ervas daninhas. Seu cultivo beneficia a saúde do solo e a produtividade das culturas agrícolas subsequentes.

Referências:
Duke, James A. *Handbook of Medicinal Herbs*. CRC Press, 2002.
Grieve, Maud. *A Modern Herbal*. Dover Publications, 1971.
Foster, Steven, e James A. Duke. *Peterson Field Guide to Medicinal Plants and Herbs of Eastern and Central North America*. Houghton Mifflin Harcourt, 2000.
Chevallier, Andrew. *Encyclopedia of Herbal Medicine*. DK Publishing, 2016.
PDR for Herbal Medicines. 4ª ed., Thomson Healthcare, 2007.
Simon, James E., et al. *Herbs: An Indexed Bibliography*. Archon Books, 1984.
Duke, James A., e Mary Jo Bogenschutz-Godwin. *Duke’s Handbook of Medicinal Plants of the Bible*. CRC Press, 2008.
Upton, Roy, ed. *American Herbal Pharmacopoeia and Therapeutic Compendium*. American Herbal Pharmacopoeia, 2001.