Erva-baleeira: saiba para que serve o chá

Erva-baleeira - Cordia verbenacea

Conheça os benefícios, efeitos colaterais e propriedades medicinais do chá de erva-baleeira (Cordia verbenacea), consumido em casos de artrite e reumatismo.

Atualizado em 16/10/2022

A erva-baleeira (Cordia verbenacea), é uma planta medicinal também conhecida como erva-de-baleeira, cordia, maria-preta, maria-milagrosa, caatinga-de-barão, pimenteira, oregano-cimarrón (espanhol), black-sage e wild-sage (inglês). Inclui os sinônimos botânicos Cordia curassavica e Varronia curassavica. Pertence à família Boraginaceae.

Benefícios da erva-baleeira

A erva-baleeira possui em suas folhas um grupo de produtos químicos chamados naftoquinonas, os quais possuem propriedades antifúngicas contra Cladosporium ucumerinum (Cladosporium é um gênero de fungo que se apresenta como manchas escuras, de cor marrom ou preta, tem aspecto aveludado e podem formar ramificações semelhantes a “arvorezinhas”. Tais fungos atacam vegetais, causando sérios danos aos mesmos e consequentemente grandes prejuízos (principalmente para a agricultura).

Também possui uma substância química chamada artemetina, um flavonoide com possível efeito hipotensor, que também é muito útil contra ações inflamatórias. Combate a Candida albicans (espécie de fungo diploide que causa, oportunamente, alguns tipos de infecção oral e vaginal nos seres humanos) e possui propriedades tóxicas contra larvas do mosquito da febre-amarela.

Chá de Erva-Baleeira

Chá de Erva Baleeira -Cordia verbenacea -Medicina Natural

Chá de Erva Baleeira -Cordia verbenacea -Medicina Natural

Na Amazônia brasileira, tribos indígenas costumam preparar o chá de erva-baleeira em infusão para o tratamento de infecções de todos os tipos, incluindo artrite e reumatismo. Diversos estudos laboratoriais realizados com animais no Brasil confirmaram que a Cordia verbenacea possui características anti-inflamatórias, bem como ações anti-ulcerosas e gastroprotetoras. Além da infusão, a tintura da erva-baleeira também é utilizada. O chá da erva-baleeira é muito prevalente ao longo da costa sudeste do Brasil e há muito tempo ocupa um lugar na medicina alternativa como um eficaz anti-inflamatório de uso interno e externo para vários tipos de doenças inflamatórias, incluindo artrite reumatoide, artrose, bursite, ciática, contusões, fibromialgia, hérnia cervical, LER, osteofitose, reumatismo, tendinite, dentre outras.

Modo de preparo do chá de erva-baleeira

Preparar por infusão (as folhas da erva-baleeira não devem ser fervidas junto a água). Para 150 ml de água: adicionar 150 ml de água potável fervente sobre aproximadamente 3 gramas de Chá de Erva-Baleeira Medicina Natural dentro da xícara. Abafar por 5 a 10 minutos em repouso, coando em seguida, se necessário. O chá deve ser ingerido até 10 horas após o preparo, não podendo ser reaquecido. Pode ser consumido quente ou frio. Ingerir 150 ml do chá, de manhã e à noite, podendo ser administrado até três vezes ao dia.

Contraindicações e efeitos colaterais da erva-baleeira

Não foram relatados efeitos colaterais decorrentes do uso nas bibliografias consultadas.

História e curiosidades

A erva-baleeira é um pequeno arbusto que pode chegar até 2 (dois) metros de altura, encontrado em todo o território brasileiro. Suas folhas são compridas, com odor forte, ásperas e atingem até 12 centímetros de comprimento. As flores são vermelhas com frutos carnosos cerca de 5 mm de diâmetro com uma única semente dentro.

A Cordia verbenacea pode ser encontrada em toda a América do Sul, no Brasil, Bolívia, Colômbia, Peru, Argentina e Paraguai, incluindo muitas áreas da bacia amazônica. Sua ocorrência estende para a Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Nicarágua, Panamá e maior parte do Caribe. A espécie Cordia verbenacea faz parte da Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS (RENISUS), constituída de espécies vegetais com potencial de avançar nas etapas da cadeia produtiva e de gerar produtos de interesse do Ministério da Saúde do Brasil.

Referências:
Cordia. Raintree.
Sertié, J. A. A., et al. “Pharmacological assay of Cordia verbenacea V: oral and topical anti-inflammatory activity, analgesic effect and fetus toxicity of a crude leaf extract.” Phytomedicine 12.5 (2005): 338-344.
Hernández, T., et al. “Ethnobotany and antibacterial activity of some plants used in traditional medicine of Zapotitlan de las Salinas, Puebla (Mexico).” Journal of ethnopharmacology 88.2 (2003): 181-188.