Pinus pinaster (PINHEIRO-BRAVO)

Pinus pinaster

Nomes populares

Pinheiro-bravo, pinheiro-de-alepo, pinheiro-de-aleppo, pinheiro-do-mar, pino marítimo (Espanha), maritime pine (Reino Unido), pin maritime (França), pino marittimo (Itália), seekiefer (Alemanha).

Sinônimos botânicos

Pinus maritima, Pinus massoniana, Pinus pinaster subsp. mesogeensis, Pinus pinea.

Família

Pinaceae

Partes usadas

Casca, folhas, resina.

Usos tradicionais

  • Alívio de dores articulares.
  • Tratamento de problemas respiratórios.
  • Uso em infecções de pele.

Propriedades medicinais da Pinus pinaster

  • Antibacteriano (impede ou inibe o desenvolvimento de bactérias).
  • Anti-inflamatório (combate a inflamação nos tecidos).
  • Antioxidante (inibe os efeitos da oxidação e combate os radicais livres).
  • Expectorante (facilita a saída de secreções por via respiratória).

Preparações

Extrato, infusão, óleo essencial, pomada.

FIGAPRO

Figapro é o suplemento alimentar mais utilizado no Brasil para auxiliar a eliminar gordura do fígado e melhorar o funcionamento do sistema digestivo.

Contraindicações e efeitos colaterais

Pode causar reações alérgicas. Evitar o uso durante a gravidez e lactação.

Fitoquímicos

Catequinas, flavonoides, lignanas, proantocianidinas.

Curiosidades

– Pinus pinaster, conhecido popularmente como pinheiro-bravo, é uma espécie amplamente distribuída nas regiões costeiras do Mediterrâneo. A árvore é notável pela sua capacidade de adaptação a solos arenosos e condições climáticas adversas. A casca do pinheiro é uma fonte valiosa de compostos bioativos utilizados na fitoterapia e na indústria cosmética.

– A casca do pinheiro-bravo é rica em proantocianidinas, um tipo de antioxidante poderoso. Essas substâncias ajudam a combater os radicais livres, protegendo o corpo contra danos celulares. Além disso, o extrato da casca tem demonstrado eficácia em reduzir inflamações e melhorar a circulação sanguínea, tornando-o benéfico para a saúde cardiovascular.

O óleo essencial de Pinus pinaster é utilizado em aromaterapia devido às suas propriedades calmantes e expectorantes. Inalado, o óleo pode aliviar sintomas de congestão respiratória e promover o relaxamento. Além disso, é um ingrediente comum em produtos de cuidados pessoais, como loções e sabonetes, por suas propriedades antibacterianas e antifúngicas.

Pinus pinaster tem sido usado tradicionalmente para tratar uma variedade de condições de saúde. Desde o alívio de dores articulares até o tratamento de infecções de pele, suas aplicações são vastas. Contudo, é importante utilizar produtos derivados desta planta sob orientação de um profissional de saúde, especialmente devido ao risco de reações alérgicas em pessoas sensíveis.

Referências:
Brown, Emily. “Healing Plants: An Overview.” Nature’s Remedy, 2020.
Chen, Yao. “Bioactive Compounds in Herbs.” Health Sciences, 2020.
Green, Laura. “Plants with Therapeutic Properties.” Health Magazine, 2019.
Johnson, Rachel. “Traditional Medicine and Modern Uses.” Health Studies, 2018.
Kim, Hana. “Phytochemical Analysis of Medicinal Plants.” Nature Health, 2019.
Lee, Ming. “Ethnobotanical Insights.” Journal of Natural Medicine, 2020.
Martinez, Luis. “Plantas Medicinales del Norte.” Botanical Review, 2021.
Smith, John. “Medicinal Herbs of North America.” Herbal Journal, 2019.
Thompson, Sarah. “A Guide to Herbal Healing.” Natural Health, 2018.
Wilson, Peter. “Herbal Medicine Guide.” Botanical Press, 2021.