Cogumelo-do-sol: saiba para o que serve

Cogumelo-do-sol - Agaricus blazei

Conheça os benefícios, efeitos, indicações e propriedades do cogumelo-do-sol - Agaricus blazei Murill, cogumelo medicinal popular no Brasil e no Japão.

Atualizado em 16/09/2022

O cogumelo-do-sol é uma planta medicinal também conhecida como agaricus (Agaricus blazei Murill), cogumelo-sol, cogumelo-de-Deus, cogumelo-da-vida, cogumelo-amêndoa, fungo-brasileiro, himematsutake mushroom e royal sun agaricus (inglês), dentre outros. O cogumelo-do-sol de nome popular inclui as espécies Agaricus blazei, Agaricus subrufescens, Agaricus sylvaticus, Agaricus brasiliensis e Agaricus rufotegulis.

Benefícios do cogumelo-do-sol

O cogumelo-do-sol é comestível, possui sabor adocicado e aroma de amêndoas (o cheiro de amêndoas do cogumelo-do-sol é devido à presença de benzaldeído, álcool benzílico, benzonitrila e benzoato de metilo, sendo um dos cogumelos medicinais mais populares na medicina natural e culinária por sua textura e sabor. O Agaricus blazei é uma espécie de cogumelo nativa do Brasil, contudo, é mais popular no Japão, onde é amplamente cultivado e utilizado por mais de 500.000 japoneses em função de suas propriedades medicinais, sobretudo no tratamento complementar de pacientes com câncer.

O cogumelo-do-sol é considerado um cogumelo medicinal, vez que estudos indicam que ele pode tratar doenças cardiovasculares, diabetes, hepatites, doenças de pele, além de regular o sistema imune. Alguns estudos sugerem que o cogumelo-do-sol possui um efeito benéfico no colesterol, inibindo fatores patogênicos e a angiogênese.

Uma pesquisa realizada com células animais mostrou que o Agaricus pode estimular células do sistema imunológico a produzirem citocinas, como interferons e interleucinas. Além disso, os cogumelos Agaricus são conhecidos por conterem propriedades antivirais em culturas de células, no entanto, a capacidade do cogumelo em inibir alguns vírus no corpo humano ainda não foi amplamente estudada. Outros cogumelos também são conhecidos por possuírem propriedades antivirais, antibacterianas e antifúngicas. Pesquisas em animais sugerem que o Agaricus pode diminuir os níveis de glicose no sangue e melhorar a resistência à insulina.

Betaglucanas

O cogumelo-do-sol possui alto nível de betaglucanas, compostos conhecidos por estimularem o sistema imunológico, e em função disso é usado na terapia oncológica no Japão e no Brasil. Além das betaglucanas, o efeito do cogumelo-do-sol sobre o sistema imunológico se deve a outros polissacarídeos, tais como as alfaglucanas. Tem-se observado cientificamente que a variação da qualidade no cultivo do Agaricus pode afetar a capacidade do cogumelo de beneficiar as células do sistema imunológico.

Gênero Agaricus

Cogumelo Agaricus blazei

Cogumelo Agaricus blazei

O pesquisador Richard Kerrigan realizou testes genéticos e de interfertilidade em várias cepas fúngicas e mostrou que as amostras das linhagens brasileiras chamadas de Agaricus blazei e Agaricus brasiliensis foram geneticamente semelhantes a variedade americana Agaricus subrufescens. Os mesmos testes também comprovaram a semelhante da variedade europeia Agaricus rufotegulis. A única diferença é que o Agaricus subrufescens é o nome mais antigo e, por isso, possui prioridade taxonômica.

Contraindicações e efeitos colaterais do cogumelo-do-sol

O cogumelo-do-sol pode diminuir a taxa de açúcar em pacientes com diabetes. Alguns outros efeitos colaterais podem incluir prurido, náuseas, diarreia e reações alérgicas

História e curiosidades

O Agaricus foi primeiramente descrito pelo botânico americano Charles Horton Peck em 1893. No final do século XIX e início do século XX, era cultivado no leste dos Estados Unidos e foi redescoberto mais uma vez no Brasil durante os anos 1970 e identificado como sendo o Agaricus blazei Murill, uma espécie identificada originalmente na Flórida.

O cogumelo-do-sol se forma individualmente ou em grupos em folhas caídas em solo rico, muitas vezes em ambientes domésticos. Foi originalmente encontrada no nordeste dos Estados Unidos, mas foi encontrada crescendo selvagem na Califórnia, Havaí, Grã-Bretanha, Holanda, Israel, Taiwan e Brasil.

Referências:
Firenzuoli, F., L. Gori, and G. Lombardo. “The medicinal mushroom Agaricus blazei murrill: review of literature and pharmaco-toxicological problems.” Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine 5.1 (2008): 3-15.
Takaku, Takeshi, Yoshiyuki Kimura, and Hiromichi Okuda. “Isolation of an antitumor compound from Agaricus blazei Murill and its mechanism of action.” The Journal of nutrition 131.5 (2001): 1409-1413.
Hetland, G., et al. “Effects of the medicinal mushroom Agaricus blazei Murill on immunity, infection and cancer.” Scandinavian journal of immunology 68.4 (2008): 363-370.