Chás indicados para combater o mau hálito

Mau hálito (halitose)

Conheça os principais chás indicados para combater o mau hálito de forma eficaz e natural. A halitose é uma situação constrangedora para várias pessoas.

Atualizado em 16/10/2022

O mau hálito (halitose) se caracteriza pelo odor desagradável expelido na respiração ou fala de uma pessoa. O número exato de pessoas com halitose não é conhecida, mas sabe-se que é um problema muito comum. O mau hálito é uma situação constrangedora para várias pessoas, vez que muitos dos afetados não possuem consciência de tal condição e portanto, não procuram ajuda.

Como surge o mau hálito?

A maior causa da halitose são problemas bucais, como cáries, gengivite, má higiene bucal  e restaurações danificadas. O consumo de alimentos muito fortes também podem causar esta condição de mau cheiro bucal. A maioria dos casos de mau hálito surgem de bactérias (germes) ou detritos que se acumulam dentro da boca. Além disso, após uma noite de sono, a maioria das pessoas têm algum grau de mau hálito. Isso é normal e ocorre porque o boca tende a ficar ressecada e estagnar durante a noite (geralmente essa condição desaparece com o decorrer do dia).

Mau hálito temporário

Os odores desagradáveis na boca podem durar por pouco tempo. O mau hálito temporário pode ser causado por produtos químicos nos alimentos que podem entrar na circulação sanguínea e, em seguida, serem expelidos para fora dos pulmões. Neste mesmo sentido, a maioria das pessoas está familiarizada com o cheiro de alimentos picantes, alho, cebola e bebidas alcoólicas na exalando da respiração de pessoas que acabaram de consumir. Vários outros alimentos e medicamentos podem causar cheiros, contudo, este tipo de mau hálito é temporário e facilmente curado. Além disso, o cigarro e outras causas médicas mais incomuns causam halitose.

Xerostomia

O mau hálito associado com a boca seca (xerostomia) é causado por uma redução no mecanismo de limpeza da boca como resultado da redução do fluxo de saliva. A causa mais comum de boca seca é após uma noite de sono (como mencionado acima). Outras causas de boca seca incluem desidratação, efeito colateral de alguns medicamentos (antidepressivos tricíclicos por exemplos), sintoma de alguma doença, radioterapia na região da cabeça e pescoço.

Como saber se você está com mau hálito?

Um teste simples para descobrir se você possui mau-hálito é lamber o interior do próprio pulso. Após a saliva secar, basta cheirar a parte lambida. Se for detectado um cheiro desagradável, isso é sinal de que a pessoa é suscetível a ter mau hálito. Outra forma simples é a de perguntar ao próprio dentista, que ainda será capaz de aconselhar sobre o tratamento adequado para se tomar.

Chás que combatem o mau hálito

A halitose na maioria das vezes pode ser combatida com uma boa higiene bucal. Escovar bem os dentes, usar o fio dental e limpar a língua auxilia muito nos casos onde o mau hálito está associado à higiene bucal. Em casos que mesmo com este processo diário o cheiro ruim insistir em aparecer, conheça alguns chás indicados para combater o mau hálito.

Chá Verde

Chá-verde - Camellia sinensis

Chá-verde – Camellia sinensis

Ao contrário do café (que contribui para a formação do mau hálito), o Chá Verde possui diversos componentes que conferem um agradável odor à boca, além de destruir as bactérias que causam cáries, as maiores responsáveis pelo hálito ruim.

Chá de Hortelã Pimenta

Chá de hortelã-pimenta - Mentha piperita

Chá de hortelã-pimenta – Mentha piperita

Um dos chás mais consumidos no Brasil é o  Chá de Hortelã Pimenta, uma opção muito aromática e saborosa. Além de combater uma série de doenças, o chá de hortelã pode ser útil para auxiliar em casos de mau hálito, vez que a hortelã refresca a respiração de forma rápida e natural. Em alguns casos também é possível fazer o gargarejo com o chá de hortelã várias vezes ao dia, deixando o líquido o maior tempo possível na boca de cada vez.

Chá de Anis Estrelado

Anis-estrelado - Ilicium verum

Anis-estrelado – Ilicium verum

O Chá de Anis Estrelado possui um aroma muito agradável. A especiaria em forma de chá também pode beneficiar aqueles que necessitam melhorar a digestão, principalmente após consumir refeições muito pesadas e gordurosas, visto que evita o acumulo de gases no estômago e no intestino. A má digestão é uma das principais causas de do aparecimento de mau-hálito. Também é possível mastigar um pedaço de anis estrelado logo após as refeições para refrescar a respiração.

Chá de Cravo-da-Índia

Cravo-da-Índia - Syzygium aromaticum

Cravo-da-Índia – Syzygium aromaticum

O Cravo-da-Índia é uma especiaria muito acrescentada em chás digestivos mistos. O cravo confere ao chá um aroma agradável e marcante, dando sabor e textura ao chá. Durante a dinastia Han na China (207 a.C. – 220 d.C.), todas as pessoas que se dirigissem diretamente ao imperador deveriam segurar o cravo-da-Índia em suas bocas, para não ofendê-lo com suas respirações. É dito que a sucção de dois cravos inteiros sem mastigar ou engolir ajuda a restringir o desejo para ingerir álcool.

Chá de Sene

Sene - Cassia angustifolia

Sene – Cassia angustifolia

Indicado inclusive pela Organização Mundial de Saúde (OMS) por seus efeitos digestivos comprovados cientificamente, o Chá de Sene é um dos chás mais completos para pessoas que sofrem de problemas estomacais (muitas vezes associados com o mau hálito) e podem ajudar muitas pessoas que sofrem com essa condição. Também pode ser usada em forma de líquido para limpeza bucal para refrescar a respiração e combater a halitose.

Outros alimentos que combatem o mau hálito

Frutas e verduras crocantes, o aipo e a maçã, por exemplo, quando mastigadas auxiliam na produção de saliva. Isso realiza uma “lavagem natural” na boca evitando o acúmulo de bactérias que causam a halitose. As ervas frescas são grandes aliadas para evitar o cheiro ruim na boca. A mais indicada é a salsinha, mas você pode procurar por outras opções com grande quantidade de clorofila. Para alcançar os efeitos desejados, você pode mascá-las cruas, preparar um chá com as folhas ou usá-las como enxaguante bucal.

Canela e gengibre

A canela possui substâncias responsáveis pela morte de um das bactérias causadoras do mau hálito. Contudo, por ter um aroma mais forte, a maioria das pessoas não consome o chá de canela diretamente, acrescentando a especiaria em outros chás digestivos. O gengibre é um adstringente natural e possui um grande poder antisséptico. Para deixar o hálito refrescante e saudável, é recomendável que ele seja mastigado cru e em pequenos pedaços.

Frutas cítricas e iogurte

Além de possuir muitos líquidos (o que ajuda no processo de produção de saliva), as frutas cítricas são ricas em vitamina C e criam um ambiente inóspito para a proliferação de bactérias.  Uma opção barata, fácil de encontrar e gostosa para eliminar o hálito ruim é o iogurte. Consumir uma dose de iogurte por dia reduz o nível de sulfureto de hidrogênio, um composto presente na boca que causa o cheiro ruim. O iogurte também elimina bactérias. As melhores opções são aquelas com pouca ou quase nenhuma quantidade de açúcar e que apresente lactobacilos na sua composição.

Consulte um especialista para tratar o mau hálito, se necessário.

Caso o mau hálito persista mesmo após as nossas dicas, é recomendável que você busque o auxílio de um especialista. Procure o seu dentista e não tenha vergonha de expor o seu problema, vez que ele com certeza irá te ajudar a encontrar uma solução. Os casos em que apostar nos alimentos que combatem o mau hálito não é o suficiente para acabar com a halitose. Neste caso, a situação deve ser observada de perto pelo seu dentista, vez que isso pode estar sendo o reflexo de um problema maior.

Referências:
Yaegaki, Ken, and Jeffrey M. Coil. “Examination, classification, and treatment of halitosis; clinical perspectives.” JOURNAL-CANADIAN DENTAL ASSOCIATION 66.5 (2000): 257-261.
Loesche, Walter J., and Christopher Kazor. “Microbiology and treatment of halitosis.” Periodontology 2000 28.1 (2002): 256-279.
Spielman, A. I., P. Bivona, and B. R. Rifkin. “Halitosis. A common oral problem.” The New York state dental journal 62.10 (1996): 36-42.