Erva-palito (Ammi visnaga): benefícios e propriedades medicinais


A erva-palito (Ammi visnaga) é uma planta medicinal também conhecida como bisnaga-das-searas, funcho-silvestre, nichos-de-perdiz, paliteira, planta-palito-de-dente (toothpick-plant), erva-palito-de-dente (toothpickweed), erva-de-bispo (bishop’s weed), bisnaga e khella. Inclui o sinônimo botânico Daucus visnaga e pertence à família Apiaceae.


Benefícios da erva-palito

A erva-palito já era usada medicinalmente há milhares de anos pelo antigos egípcios em função de seus efeitos sedativos e diuréticos. Além disso, atua como antialérgico, sedativo, vasodilatador, antiasmático, antiespasmódico e como dilatador brônquico. Auxilia na dilatação da uretra para facilitar a passagem de pedras nesta região, sendo uma aliada para pacientes com cálculos renais. Pode ser útil no tratamento da psoríase, queda de cabelo, vitiligo e estimula a síntese de melanina pelo organismo, podendo ser usada de forma interna ou externa.

Apresenta bons resultados em relação a doenças cardiovasculares como arritmias, insuficiência cardíaca, aterosclerose e hipertensão devido às suas propriedades vasodilatadoras. Também é aplicada no tratamento de problemas no sistema respiratório, incluindo bronquite, tosse e asma. Outras aplicações da planta são para a cicatrização de feridas que apresentem inflamações e picadas venenosas. O óleo essencial da Ammi visnaga é usado pela medicina aiurvédica e como matéria-prima na fabricação de incensos. O óleo também pode ser combinado com lavanda e camomila para criar aromas diferenciados.

Receita de chá de erva-palito (Ammi visnaga)

Consumir o chá da Ammi visnaga é uma forma de usufruir de todas as propriedades da planta.

Ingredientes

  • 30 gramas de fruto de Ammi visnaga
  • 500 ml de água

Modo de preparo

  • Misture os ingredientes e coloque no fogo até ferver.
  • Após ferver desligue o fogo e deixe descansar por cerca de 15 minutos.
  • Coe a mistura.
  • Beba 3 xícaras ao longo do dia e, se for necessário adoçar, utilize mel.
Antidiabéticos Insulinas VegetaisAntidiabéticos que agem como hipoglicemiantes e insulinas vegetais
Libiforce Libiforce Man Estimulante sexual masculino sem contraindicações. Fórmula exclusiva.
Melatonina MelatoninaDurma melhor e com mais qualidade. Adquira o hormônio do sono.
Anti-Inflamatórios Naturais Anti-Inflamatórios Naturais Suplementos eficazes para aliviar e curar inflamações nos tecidos.
Antirreumaticos Antirreumáticos Suplementos naturais para aliviar dores articulares, artrite, artrose, gota e reumatismo.

Contraindicações e efeitos colaterais da Ammi visnaga

Quando consumida em excesso, pode aumentar a produção de enzimas hepáticas e prejudicar o funcionamento do fígado. Grávidas devem evitar o seu uso; não há estudos que verifiquem a segurança desta erva para lactantes, porém é recomendável não consumi-la. Outros efeitos adversos da erva-palito quando consumida em altas quantidades incluem náuseas, tonturas, constipação, inapetência, comichões e insônia. Pode causar fotossensibilidade.

História e curiosidades

A Ammi visnaga é um arbusto florido nativa do Egito, contudo, se desenvolve em toda a região mediterrânea, sendo muito fácil de ser encontrada no Irã e Marrocos. Possui floração anual de folhas brancas com inflorescências que crescem no formato de umbela, formato parecido com um guarda-chuva, podendo alcançar a altura máxima de 80 centímetros. Suas folhas são compostas por segmentos lineares e tem o formato parecido ao de lanças, atingindo até 20 centímetros de comprimento. O fruto possui o formato oval e apresenta cerca de 3 milímetros de comprimento.

Referências:
Bhagavathula, A. S., Al-Khatib, A. J. M., Elnour, A. A., Al Kalbani, N. M., & Shehab, A. (2015). Ammi Visnaga in treatment of urolithiasis and hypertriglyceridemia. Pharmacognosy research, 7(4), 397.
“Ammi visnaga”. Natural Resources Conservation Service PLANTS Database. USDA.
Vanachayangkul, P., et al. (2010). An aqueous extract of Ammi visnaga fruits and its constituents khellin and visnagin prevent cell damage caused by oxalate in renal epithelial cells. Phytomedicine 17(8), 653-58.

Comentários

Comentar