Lobélia (tabaco-indiano): para que serve

Lobélia (tabaco-indiano) - Lobelia inflata

Conheça os benefícios, efeitos colaterais, indicações e propriedades medicinais da lobélia - Lobelia inflata, planta medicinal também chamada de tabaco-indiano.

Atualizado em 21/09/2022

A lobélia (Lobelia inflata) é uma planta medicinal também conhecida como tabaco-indiano, erva-emética e erva-de-asma. Inclui as espécies medicinais L. cardinalis, L. siphilitica e L. chinenses. A lobélia possui uma longa história de uso medicinal para doenças respiratórias, incluindo asma, bronquite, pneumonia e tosses.

Benefícios da lobélia

Na homeopatia, é utilizada sozinha ou combinada com outras ervas para a cessação do tabagismo, relaxamento muscular, náuseas, vômitos, infecções de pele (mordidas, contusões e micose), além de várias doenças respiratórias. Possui propriedades que relaxam os tecidos e diminuem os espasmos. A Lobelia inflata é composta de alcaloides de piperidina (lobelina, isolobelina), ácido lobélico, ácido quelidônico, glicosídeos, óleos essenciais, resinas e gorduras. No sistema respiratório, ajuda a relaxar músculos bronquiais enquanto dilata os bronquíolos. A lobelina, ingrediente ativo da lobélia, estimula o sistema respiratório e auxilia na respiração profunda, condição que pode aliviar problemas respiratórios, incluindo condições de asma.

Propriedades da lobélia para combater o tabagismo

A lobelina possivelmente apresenta um efeito semelhante à nicotina no organismo, razão pela qual foi utilizada em muitos remédios para o combate ao tabagismo. Contudo, em 1993, o FDA (Food and Drug Administration), proibiu a venda de produtos fumígenos contendo lobelina por concluir que tais produtos não foram eficazes em ajudar as pessoas a reduzir ou parar de fumar.

Apesar da proibição, alguns pesquisadores acreditam que a lobelina pode efetivamente reduzir os efeitos da nicotina no corpo, particularmente com relação a liberação de dopamina, uma substância química que desempenha importantes funções no cérebro e que também está envolvida no vício em drogas, motivo pelo qual os pesquisadores acreditam que a lobelina pode ter algum potencial no tratamento da dependência química, apesar de que os estudos até agora ainda são insuficientes para determinar a eficácia da lobelina.

Contraindicações e efeitos colaterais da lobélia

A lobélia é uma erva potencialmente tóxica e só deve ser utilizada sob prescrição médica em doses homeopáticas. Pode causar efeitos colaterais graves, incluindo náuseas, diarreia, tremores, taquicardia, confusão mental, hipotermia, coma e até a morte. A propriedade emética da planta pode causar vômitos desejáveis em casos de envenenamento e ataques graves de asma. Pacientes com pressão arterial alta, doença cardíaca, doença hepática, doença renal, sensibilidade à tabaco, convulsões e falta de ar não devem utilizar a erva.

História e curiosidades

A lobélia é uma erva nativa da América do Norte. Historicamente, os nativos americanos fumavam a erva para combater a asma. No século XIX, médicos americanos prescreveram a planta para induzir o vômito para auxiliar a remover as toxinas do corpo. O nome do gênero menciona o botânico Mathias L’Obel. A lobélia faz parte da família Campanulaceae.

Referências:
Lob.elia. University of Maryland Medical Center.
Davison GC, Rosen RC. Lobeline and reduction of cigarette smoking. Psychol Rep.
Dwoskin LP, Crooks PA. A novel mechanism of action and potential use for lobeline as a treatment for psychostimulant abuse. Biochem Pharmacol.