Maná-cubiu: benefícios, efeitos e propriedades afrodisíacas e medicinais

A maná-cubiu (Solanum sessiliflorum) é uma fruta com diversas propriedades medicinais, sendo também conhecida como cocona, cubiu e tomate-de-índio. Além de saborosa, é rica em uma série de nutrientes essenciais, possui um aroma delicioso. Possui origem na Amazônia Ocidental e começou a ser cultivada pelos índios pré-colombianos. Pertence à família das Solanaceae.

Benefícios e propriedades medicinais do maná-cubiu

O fruto da maná-cubiu pode ser utilizado de diferentes maneiras, mas, sendo mais tradicional seu uso como alimento, cosmético e medicamento. Por conta das suas diversas propriedades medicinais, pode utilizado para o tratamento de uma série de doenças. Na Floresta Amazônica, a maná-cubiu é usado pelas populações para o tratamento de anemia, depressão, diabetes, enxaqueca, excesso de ácido úrico (gota), hipertensão, além de ser digestivo, diurético e agir como um tônico sexual, muito indicado para o tratamento natural da disfunção erétil (impotência).

O fruto regula os níveis de colesterol e os índices de glicose no sangue. Especialistas indicam que que o suco dessa fruta pode fazer maravilhas nos cabelos, tornando-os mais brilhosos e sedosos. É possível consumi-lo tanto em sua forma in natura, como, também, como componente de outros pratos, tais como: compotas, sucos, doces, geleias, dentre outros preparos. Também é popularmente usado como tempero para pratos feitos à base de peixe, carne ou frango. Por conta disso, é extremamente conhecido tanto dentro do uso medicinal quanto na gastronomia.

Maná-cubiu e sua composição de niacina (vitamina B3)

A maná-cubiu possui vários componentes essenciais para o fortalecimento da saúde, contudo, o mais popular e poderoso é a niacina, substância que pertence ao complexo vitamínico B, é solúvel em água e popularmente conhecida como vitamina B3. Geralmente, o organismo humano consegue produzir a niacina utilizando como base o aminoácido triptofano. Contudo, quando o organismo possui deficiências de vitaminas do complexo B (B1, B2 e B3), acaba não conseguindo fazer esse processo, o que acaba gerando uma série de consequências, incluindo mudanças na personalidade do indivíduo. A deficiência de niacina é comprovada cientificamente como sendo uma das maiores causas de impotência sexual (disfunção erétil).

A fruta medicinal também ajuda no combate as enxaquecas, por conta da niacina, que estimula a realização de funções cerebrais essenciais. Diversos estudos apontam, ainda, que, por agir diretamente no cérebro e no sistema nervoso, pode ajudar no tratamento da depressão e de outros distúrbios do gênero. Atualmente, diversos órgãos de saúde sugerem que a quantidade diária mínima de niacina que o nosso corpo precisa é de 13mg à 19mg.

Nutrientes do maná-cubiu

O maná-cubiu ajuda sintetizar diversos componentes do nosso corpo, Dentre eles, a insulina, a cortisona, a progesterona, o estrogênio e a testosterona. Além disso, ela é extremamente indicada para ajudar a manter o sistema nervoso, bem como as funções cerebrais de maneira adequada. A maná-cubiu é muito usada por quem deseja tratar ou diminuir os sintomas causados por problemas gastrintestinais. É usada, também, como tônico sexual, isso sem contar que ela melhora a circulação do sangue, reduzindo, assim, o risco de desenvolvimento de pressão alta. A fruta também tem altos índices de outros nutrientes essenciais para o funcionamento do nosso corpo, tais como fibras, fósforo, pectina e vitamina

Contraindicações e efeitos colaterais da maná-cubiu

Não existem estudos conclusivos sobre eventuais contraindicações e efeitos colaterais da Solanum sessiliflorum. Desta forma, o ideal é evitar o consumo caso o paciente tenha algum problema de controle de níveis de glicose, ou, que não consiga absorver vitaminas normalmente. O mais recomendado é procurar um nutricionista antes de incluir a maná-cubiu em sua dieta diária.

História e curiosidades

A maná-cubiu é um fruto utilizado dentro da medicina alternativa há séculos. Os próprios índios pré-colombianos já usavam a planta para tratar diferentes tipos de enfermidades. As raízes, galhos e folhas da Solanum sessiliflorum, por exemplo, eram fervidas e depois esmagadas para ajudar na cicatrização de ferimentos, bem como no tratamento de picadas e mordidas de insetos, principalmente aranhas.

Referências:
SILVA FILHO, D. D., Yuyama, L. K. O., Aguiar, J. P. L., Oliveira, M. C., & Martins, L. H. P. (2005). Caracterização e avaliação do potencial agronômico e nutricional de etnovariedades de cubiu (Solanum sessiliflorum Dunal) da Amazônia. Acta Amazonica, 35(4), 399-406.
da Silva Filho, Danilo Fernandes, J. Izquierdo, and Tratado de Cooperacion Amazonica. “Cocona (Solanum sessiliflorum Dunal): cultivo y utilización.” (1998).
Marx, Friedhelm, Eloisa Helena A. Andrade, and José Guilherme Maia. “Chemical composition of the fruit of Solanum sessiliflorum.” Zeitschrift für Lebensmitteluntersuchung und-Forschung A 206.5 (1998): 364-366.
Salick, J. “Cocona (Solanum sessiliflorum) production and breeding potentials of the peach-tomato.” New crops for food and industry, G. Wickens and P Day, eds. Chapman and Hall, London 9.1992 (1989): 247-285.
Duarte, O. (2011). Cocona (Solanum sessiliflorum Dunal). In Postharvest Biology and Technology of Tropical and Subtropical Fruits: Cocona to Mango (pp. 1-8e).

Comentários

Comentar