Olíbano: benefícios e propriedades aromáticas

O olíbano (Boswellia carteri) é uma planta aromática e medicinal também conhecida como incenso-de-olíbano, olíbano-da-Somália, olibanum, frankincense, galbanum, dentre outros nomes populares. Inclui o sinônimo botânico Boswellia thurifera. O olíbano (frankincense) é uma resina aromática muito utilizada nos processos de manufatura de incensos e perfumes. A resina é extraída das árvores do gênero Boswellia, pertencentes à família Burseraceae.

Benefícios e propriedades aromáticas do olíbano

A resina do olíbano é utilizada há milhares de anos pela medicina aiurvédica para tratar artrite, diarreia, disenteria, Doença de Crohn, doenças pulmonares e parasitas. O uso mais conhecido do olíbano é para no tratamento da artrite. O ácido boswellico, um dos ingredientes ativos presentes na resina purificada, possui poderosas propriedades analgésicas e anti-inflamatórias. Essas duas propriedades combinadas são úteis no tratamento do reumatismo, incluindo artrite reumatoide e artrite óssea, doenças que provocam muitas dores nos portadores.

O extrato de olíbano apresenta propriedades que permitem a diminuição dos níveis de colesterol e triglicérides na corrente sanguínea e fígado, fazendo com que seja eficiente na diminuição dos níveis de colesterol em todo o organismo. A asma já foi tratada com o extrato, vez que ajuda a dilatar e relaxas as passagens de ar dos brônquios, permitindo que os pacientes possam respirar com mais facilidade. Os vapores inalados já foram usados para problemas respiratórios, incluindo asma, bronquite e enfisema.

Como mencionado anteriormente, o olíbano é capaz de expurgar e/ou matar alguns parasitas e vermes que residem no organismo dos seres humanos. O uso pode aliviar os sintomas da Doença de Crohn, bem como tratar colites ulceradas. A doença inflamatória intestinal (IBD), às vezes confundida com a síndrome do intestino irritável (SII), pode ter seus níveis de inflamação reduzidos por meio do uso do olíbano-da-Somália.

Incenso de olíbano

Resina de olíbano (Frankincense)
Resina de olíbano (Frankincense)

O incenso é extraído das árvores escarpadas, mas resistentes, cortando a casca e permitindo que a resina escorra e endureça. As resinas endurecidas são chamadas de lágrimas. As diferenças no solo e no clima criam ainda mais diversidade da resina, mesmo dentro da mesma espécie. No caso da espécie Boswellia sacra, as árvores são consideradas incomuns por sua capacidade de crescer em ambientes tão rígidos, inclusive se desenvolvendo em pedras sólidas. As árvores começam a produzir resina quando têm cerca de oito a dez anos de idade. De modo geral, as resinas mais opacas possuem melhor qualidade. A resina de melhor qualidade é produzida na Somália e a a Igreja Católica Romana compra a maior parte do seu estoque.

Contraindicações e efeitos colaterais do olíbano

Os efeitos adversos causados pela Boswellia são raros, contudo, a dosagem excessiva pode causar diarreia, náuseas ou algumas rachaduras na pele, embora não sejam sintomas comuns. O uso não deve ser feito por gestantes e lactantes.

História e curiosidades

O nome de gênero, Boswellia, foi nomeado pelo botânico escocês, John Boswell (1719-1780). O olíbano é comummente queimado como um incenso e usado em templos e para mascarar odores de cremação. Já foi muito queimado em hospitais para prevenir a expansão de doenças infecciosas. É dito que seu cheiro acalma e clareia a mente. A conhecida espécie Boswellia serrata não é um sinônimo botânico do olíbano medicinal.

O tronco da árvore é cinza e se assemelha à textura de papel e suas folhas são verdes e alternadas. Possui flores brancas. A parte da árvore responsável pela produção da resina é a casca. O produto é, então, purificado manualmente e utilizado como um extrato para aplicações com fins medicinais. As resinas solidificadas são conhecidas como “lágrimas”. A qualidade da resina purificada depende sempre de características como o seu aroma, cor, forma e idade. As resinas prateadas são as consideradas como de nível mais elevado que se pode obter por meio da manufatura da purificação.

Referências:
Frankincense: Could it be a cure for cancer? The gift given by the wise men to the baby Jesus probably came across the deserts from Oman. The BBC’s Jeremy Howell visits the country to ask whether a commodity that was once worth its weight in gold could be reborn as a treatment for cancer.
Fan, A. Y., Lao, L., Zhang, R. X., Zhou, A. N., Wang, L. B., Moudgil, K. D., … & Berman, B. M. (2005). Effects of an acetone extract of Boswellia carterii Birdw.(Burseraceae) gum resin on adjuvant-induced arthritis in lewis rats. Journal of Ethnopharmacology, 101(1-3), 104-109.
The Frankincense Tree and Its Uses. “Omani World Heritage Sites”. www.omanwhs.gov.om.

Comentários

Comentar