Mirra: saiba para que serve a planta

Mirra - Commiphora myrrha

Conheça os benefícios, efeitos colaterais, indicações e propriedades medicinais da árvore-de-mirra, extrato em pó, incenso e óleo de mirra (Commiphora myrrha).

Atualizado em 21/09/2022

A mirra (Commiphora myrrha) é uma planta medicinal também conhecida como árvore-de-mirra, incenso, mirra-arábica, mirra-verdadeira, myrrh (inglês), dentre outros nomes populares. Inclui as espécies medicinais Commiphora abyssinica e Commiphora molmol. A mirra possui característica oleosa e sabor ácido e amargo. O cheiro marcante é a principal característica dos frutos. A resina pode ser retirada das cascas das árvores que após seca, se transforma em grânulos de cor amarela.

Benefícios e propriedades medicinais da mirra

A mirra age como adstringente, analgésico, antibacteriano, anti-inflamatório, antifúngico, antisséptico, antiespasmódico, carminativo, descongestionante, diaforético, diurético, emenagogo, expectorante, rejuvenescedor, tônico estomacal e vulnerário. Desta forma, é utilizada no tratamento de acnes, amenorreia, amigdalite, artrite, asma, bronquite, candidíase, catarro, colesterol alto, disenteria, dismenorreia, faringite, febre, laringites, sinusite, tosses, tumores uterinos, dentre outras diversas condições de saúde.

A mirra é usada desde a antiguidade em função principalmente do seu aroma peculiar. Atualmente, ainda é utilizada na fabricação de incensos e perfumes, além de ser um bom repelente de insetos e já ter sido usada como conservante natural. Age contra infecções, aumentando a motilidade das células de sangue brancas e normalizando a atividade da membrana de muco. Devido às suas propriedades antissépticas e anti-inflamatórias, auxilia na limpeza de feridas na pele e previne a propagação da infecção para regiões não infectadas. A mirra colabora para o aumento da produção de glóbulos brancos, contribui para a regeneração das células epiteliais e ajuda na cicatrização de feridas, inclusive as infeccionadas.

Como usar a mirra?

Óleo e resina de mirra - Commiphora myrrha

Óleo e resina de mirra – Commiphora myrrha

O óleo de mirra possui propriedades anestésicas, antitumorais e antissépticas comprovadas cientificamente. O extrato da mirra é rico em antioxidantes que combatem os radicais livres, um dos principais causadores do envelhecimento precoce e surgimento de vários tipos de câncer e tumores. Também é usada também como antisséptico bucal para o tratamento de pequenas abcessos, aftas, feridas na boca e lesões na gengiva. O pó de mirra é aplicado nos dentes para combater dor de dente, gengivite, perda dos dentes (decadência dental) e periodontites. O líquido de limpeza bucal é indicado para amigdalite, feridas na boca e halitose.

O uso da mirra deve ser de forma externo. Para tratamento de contusões, feridas e melhoras na aparência da pele deve ser realizada uma infusão com a mirra para ser aplicada no lugar desejado. Nestes caso, é necessário ferver uma xícara de água e jogar por cima do pó de mirra. A quantidade deve ser uma colher de chá. Essa mistura deverá ficar algum tempo em descanso (cerca de 15 minutos). Após isso, a mistura estará pronta para o uso tópico.

Composição

A Commiphora myrrha é constituída de cola, óleo essencial (eugenol, furano-sesquiterpenos, limoneno, pineno), resina, dentre outras substâncias químicas. A goma é formada por galactose, meti-glucoronato e outros ativos em menor quantidade.

Contraindicações e efeitos colaterais da mirra

O uso é contraindicado durante a gravidez, vez que a erva pode estimular o útero. Além disso, diabéticos devem evitar o uso, vez que a Commiphora myrrha possui propriedades hipoglicemiantes. O uso excessivo pode acelerar os batimentos cardíacos.

História e curiosidades

Myrrha é derivado da palavra “mur“, em hebreu e árabe, que significa “amargo”. O nome do gênero, Commiphora, é oriundo do grego “kommi“, significa “goma” e “phoros” (portador). Antigamente, era um artigo importante no comércio, usada para embalsamar pessoas mortas.  A Commiphora myrrha faz parte da família Burseraceae. A mirra é nativa da África (Etiópia e Somália) e Oriente Médio, onde pode ser encontrada na Índia e Tailândia. Trata-se de uma árvore com espinhos que pode atingir no máximo 5 metros de altura. Suas folhas são caducas, ou seja, todas elas caem no outono. Suas flores são de cor vermelho amarelada e os frutos pontiagudos. Os frutos possuem cor marrom e formato oval e podem atingir o tamanho máximo de sete milímetros de comprimento.

Referências:
Su, S., Wang, T., Duan, J. A., Zhou, W., Hua, Y. Q., Tang, Y. P., … & Qian, D. W. (2011). Anti-inflammatory and analgesic activity of different extracts of Commiphora myrrha. Journal of ethnopharmacology, 134(2), 251-258.
Morteza-Semnani, Katayoun, and Madjid Saeedi. “Constituents of the essential oil of Commiphora myrrha (Nees) Engl. var. molmol.” Journal of Essential Oil Research 15.1 (2003): 50-51.
Omer, S. A., S. E. I. Adam, and O. B. Mohammed. “Antimicrobial activity of Commiphora myrrha against some bacteria and Candida albicans isolated from gazelles at King Khalid Wildlife Research Centre.” Research Journal of Medicinal Plant 5.1 (2011): 65-71.
Omer, S. A., S. E. I. Adam, and O. B. Mohammed. “Antimicrobial activity of Commiphora myrrha against some bacteria and Candida albicans isolated from gazelles at King Khalid Wildlife Research Centre.” Research Journal of Medicinal Plant 5.1 (2011): 65-71.