Dores nos joelhos: conheça os melhores remédios naturais

Dores nos joelhos - dor no joelho

Alguns remédios naturais atuam como anti-inflamatórios e analgésicos podem ser muitos úteis para pacientes que desejam aliviar dores nos joelhos.

Atualizado em 17/06/2024

As dores nos joelhos podem surgir devido ao desgaste da articulação, ao excesso de peso ou às lesões esportivas, sendo que a maioria das pessoas em algum momento de suas vidas irá experimentar dores nos joelhos. Segundo várias pesquisas, a porcentagem de praticantes de corrida que já sofreram alguma lesão no local é de aproximadamente 90%.

Remédios naturais para aliviar dores nos joelhos

A prática de esportes, exercícios e outras atividades podem causar dores musculares e problemas mais graves, incluindo cisto de Baker, osteoartrite, tendinite e lesões mais graves nos ligamentos e cartilagens. Nestes casos, os sintomas devem ser diagnosticados por meio de exames médicos de raio x e tomografia. Para algumas pessoas, as dores nos joelhos podem ser tão graves que limitam as atividades diárias básicas, ocasionando em efeitos colaterais como ganho de peso e, em decorrência do mesmo, há uma maior sobrecarga dos joelhos.

Alguns remédios naturais que atuam como analgésicos e anti-inflamatórios podem ser muitos úteis para pacientes que desejam aliviar dores nos joelhos. Muitos deles possuem comprovações científicas quanto a sua eficácia.

Copaíba

Copaíba (resina)

Copaíba (resina)

A copaíba é uma árvore de grande porte encontrada principalmente na Floresta Amazônica e o seu óleo é utilizado no tratamento de mais de 50 doenças e condições de saúde, incluindo o combate à artrite. O óleo pode ser aplicado topicamente para combater o reumatismo e aliviar dores musculares. A copaíba é conhecida por suas propriedades analgésicas e anti-inflamatórias, tornando-a um remédio natural eficaz para aliviar dores no joelho. O óleo de copaíba contém altos níveis de beta-cariofileno, que atua como um potente anti-inflamatório, ajudando a reduzir a inflamação e o inchaço nas articulações.

Além disso, suas propriedades analgésicas proporcionam alívio da dor, tornando-se uma opção popular para pessoas que sofrem de artrite ou outras condições que afetam os joelhos. Aplicado topicamente ou consumido em forma de suplemento, o óleo de copaíba pode melhorar a mobilidade e a qualidade de vida daqueles que sofrem com dores crônicas no joelho.

Garra-do-diabo

Garra-do-diabo - Harpagophytum procumbens

Garra-do-diabo – Harpagophytum procumbens

A garra-do-diabo possui propriedades anti-inflamatórias e é indicada para pessoas que sofrem de artrose, artrite, tendinite, dores na coluna ou fibromialgia, proporcionando alivio das dores e incômodos causados por essas doenças. Os principais compostos ativos, os harpagosídeos, ajudam a reduzir a inflamação nas articulações e aliviar a dor, melhorando a mobilidade e a qualidade de vida dos pacientes. Estudos clínicos têm demonstrado que a garra do diabo pode ser tão eficaz quanto alguns medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), mas com menos efeitos colaterais. Ela é geralmente consumida em forma de cápsulas, chá ou comprimidos , sendo uma opção popular na fitoterapia para o manejo das dores articulares.

Gengibre

Gengibre - Zingiber officinale

Gengibre – Zingiber officinale

Aproximadamente 75% dos pacientes com dores articulares apresentam alívio da dor e diminuição do inchaço. O gengibre é amplamente reconhecido por suas propriedades analgésicas e anti-inflamatórias, sendo uma opção natural eficaz para aliviar dores no joelho. Seus compostos bioativos, como gingerol e shogaol, ajudam a reduzir a inflamação e o inchaço nas articulações, promovendo alívio da dor associada a condições como artrite. Estudos mostram que o consumo regular de gengibre, seja em forma de chá, suplemento ou aplicado topicamente, pode melhorar significativamente a mobilidade e a qualidade de vida de pessoas com dores crônicas no joelho.

Magnésio: mineral previne contra as dores nos joelhos

Magnésio

Magnésio

O cloreto de magnésio é um composto químico de magnésio e cloro. É um componente essencial para o bom funcionamento do nosso organismo, vez que o magnésio é considerado como o mineral do rejuvenescimento e impede a calcificação dos nossos órgãos e tecidos que são características da velhice relacionadas à degeneração do organismo.

Sucupira

Semente de sucupira

Semente de sucupira

A sucupira é uma árvore medicinal brasileira e suas sementes são amplamente usadas em diversos tratamentos. Os compostos bioativos presentes nas sementes de sucupira, como os flavonoides e terpenos, ajudam a reduzir a inflamação e o inchaço nas articulações, proporcionando alívio da dor e melhora na mobilidade. Além disso, a sucupira possui efeitos antioxidantes que protegem as células articulares dos danos oxidativos, contribuindo para a saúde a longo prazo das articulações. Seu uso pode ser em forma de cápsulas, cháou óleo, e é amplamente utilizado na medicina tradicional para tratar diversas condições inflamatórias.

Referências:
Kikuchi, Motoo, et al. “Bibliographical investigation of complementary alternative medicines for osteoarthritis and rheumatoid arthritis.” Geriatrics & Gerontology international 9.1.
Felsby, S., et al. “NMDA receptor blockade in chronic neuropathic pain: a comparison of ketamine and magnesium chloride.” Pain 64.2 (1996): 283-291.
Leblan, D., P. Chantre, and B. Fournie. “Harpagophytum procumbens in the treatment of knee and hip osteoarthritis. Four-month results of a prospective, multicenter, double-blind trial versus diacerhein.” Joint, bone, spine: revue du rhumatisme 67.5 (2000): 462-467.
Sharma, Jyoti, et al. “Copaiba oil-resin: Chemistry, biological activity, and therapeutic applications.” Molecules, vol. 27, no. 1, 2021, pp. 1-24.
Vieira, G. H. F., et al. “Anti-inflammatory and antinociceptive activities of copaiba oil from Copaifera multijuga in arthritic and non-arthritic rat models.” Journal of Ethnopharmacology, vol. 148, no. 2, 2013, pp. 678-684.
Altman, R. D., & Marcussen, K. C. “Effects of a ginger extract on knee pain in patients with osteoarthritis.” Arthritis & Rheumatism, vol. 44, no. 11, 2001, pp. 2531-2538.
Grzanna, Reinhard, Daniel G. Lindmark, and Craig G. Frondoza. ”
Ginger—an herbal medicinal product with broad anti-inflammatory actions. Journal of Medicinal Food, vol. 8, no. 2, 2005, pp. 125-132.
Araujo, C. A., & Leon, L. L. “Biological activities of Curatella americana L.” Journal of Ethnopharmacology, vol. 98, no. 2-3, 2005, pp. 213-218.
Santos, A. O., et al. “Antioxidant, anti-inflammatory, and antimicrobial activities of the seeds of Pterodon emarginatus Vogel.” Journal of Ethnopharmacology, vol. 143, no. 3, 2012, pp. 701-707.
Chrubasik, S., et al. “A systematic review on the Harpagophytum procumbens.” Phytotherapy Research, vol. 14, no. 8, 2000, pp. 481-493.
Gagnier, J. J., et al. “Herbal medicine for low back pain: a Cochrane review.” Spine, vol. 31, no. 2, 2006, pp. E834-E840.