Dente-de-leão: benefícios e propriedades medicinais

O dente-de-leão (Taraxacum officinale) é uma planta medicinal também conhecida como taraxaco, taráxaco, amor-de-homem, amor-dos-homens, amargosa, alface-de-cão, coroa-do-sacerodote, esperança, margarida-irlandesa, salada-de-toupeira, quartilho e dandelion (inglês). Pertence à família Asteraceae.

Benefícios do dente-de-leão

As folhas são diuréticas e hipotensas e a raiz é antifúngica, colagoga, diurética, expectorante, galactagoga, tônica e laxante (com efeito moderado). Apenas as folhas são usadas para edema, enquanto a raiz é usada para diabetes. Tanto a folha quanto a raiz do dente-de-leão são usadas para hipertensão. As flores são usadas como um cataplasma para feridas. O talo é utilizado para combater verrugas e lavagens são indicadas para infecções fungosas. O extrato de dente-de-leão melhora o funcionamento do fígado, permitindo que as toxinas sejam expulsas do corpo mais efetivamente.

Todo a planta age como um tônico geral, principalmente como tônico hepático. Especialistas consideram o dente-de-leão como um excelente tratamento natural para doenças hepáticas, incluindo até mesmo casos extremos como cirrose. A erva purifica a corrente sanguínea e aumenta a produção de bílis, sendo útil também no tratamento de problemas de vesícula biliar. A erva atua em outros órgãos internos como o baço, estômago, pâncreas e rins. A folha e raiz secas, tomadas como um chá, age como um laxante suave para aliviar a constipação e melhorar a digestão. A folha de dente-de-leão também é uma boa fonte natural de potássio, capaz de repor qualquer quantidade do mineral que possa ser perdida devido à ação diurética da erva sobre os rins. Tal característica faz do dente-de-leão um diurético seguro em casos de retenção de líquidos devido a problemas cardíacos.

Outras condições de saúde beneficiadas pela erva incluem alívio em casos de artrite e reumatismo, hipertensão e, em doses terapêuticas ao longo do tempo, pode ajudar a reduzir a rigidez e aumentar a mobilidade em situações de doença articular degenerativa. Estudos preliminares com animais sugerem que o dente-de-leão pode ajudar a normalizar os níveis de açúcar no sangue e reduzir o colesterol total e triglicérides, enquanto eleva colesterol bom (HDL).

Chás Chás Medicinais Chás 100% naturais e orgânicos para diversos objetivos.
Prisão de Ventre Digestivos Remédios naturais para combater má digestão e prisão de ventre.
Pedras nos Rins Pedras nos Rins Conheça fitoterápicos para eliminar cálculos renais.

Preparações

Pode usado tomado em forma de infusão da folha, decocção de raiz, suco ou tintura. As folhas frescas e jovens são amargas e pode ser adicionadas a saladas cruas ou outros pratos. O suco extraído do caule e da folha é o mais parte potente da planta para fins medicinais. Tem sido usado para acalmar calos, feridas e picadas, além de eliminar verrugas. Infusões com as flores foram usadas como um embelezador facial com efeito refrescante para a pele. Na culinária, as folhas podem ser consumidas na primavera, antes de florescer, cruas ou cozidas. As raízes só devem ser utilizadas secas ou cozidas. As raízes assadas tem um efeito semelhante ao café. O vinho, feito das flores, é muito apreciado em alguns países.

Chá de dente-de-leão

Chá de dente-de-leão
Chá de dente-de-leão

O chá de dente de leão pode ser preparado em forma de infusão.

Ingredientes

  • Aproximadamente 60 gramas de folhas de dente-de-leão.

Modo de preparo

  • Coloque 30 gramas de folha de dente de leão fresco em um recipiente aquecido.
  • Após, despeja 2,5 xícaras de água fervida no recipiente.
  • Cubra a mistura por cerca de 15 a 20 minutos. Coe em seguida;
  • Beba a infusão fria ou quente durante todo o dia, respeitando o limite de até três xícaras diárias;
  • O chá preparado pode ser guardado por cerca de dois dias na geladeira.

Tintura

Coloque cerca de 100 gramas de folhas e raízes finamente cortadas (ou cerca de 50 gramas da erva seca em pó) em um recipiente de vidro com conhaque, gin ou vodca. O álcool deve ser suficiente para cobrir todas as partes da planta e deve estar numa proporção de 50/50 de álcool para água. Cubra e guarde a mistura longe da luz por cerca de duas semanas, agitando várias vezes por dia. Coe e armazene em uma garrafa tampada de vidro escuro. Uma dose padrão é de 10 a 15 gotas da tintura na água, até três vezes ao dia.

Composição

O dente-de-leão é uma erva extremamente nutritiva, rica em potássio e lecitina, além de boro, ferro, fósforo, magnésio, niacina, proteínas, silício e zinco. Rico em vitaminas do complexo B, além de vitamina C, E e P. As folhas possuem constituintes químicos que incluem glicosídeos amargos, carotenoides, colina, terpenoides, sais de potássio, ferro e outros minerais. A raiz contém glicosídeos amargos, taninos, triterpenos, esteróis, óleo volátil, colina, asparagina e inulina.

Prisão de Ventre Digestivos Remédios naturais para combater má digestão e prisão de ventre.
Pedras nos Rins Pedras nos Rins Conheça fitoterápicos para eliminar cálculos renais.
Chás Chás Medicinais Chás 100% naturais e orgânicos para diversos objetivos.

Contraindicações e efeitos colaterais do dente-de-leão

O dente-de-leão pode causar dores de estômago e diarreias. Também pode diminuir os níveis de açúcar no sangue e interagir com outros medicamentos para diabetes. Como age como um colagogo, aumenta o fluxo da bile. Não deve ser usado por pessoas com fechamento dos dutos biliares e outras doenças biliares. Reações alérgicas a planta são raras.

Cultivo e desenvolvimento

Existem cerca de 100 espécies de dente-de-leão e todas elas possuem propriedades medicinais. É uma das ervas presentes na tradição da Páscoa, sendo considerada uma das ervas daninhas mais famosas e úteis do planeta. As folhas de dente de leão são verde-escuras com margens irregulares, sendo dispostas em um padrão de roseta e podendo crescer até até 45,7 cm em comprimento. Quando usada como corante, produz um tom roxo.

As flores dos dentes-de-leão são redondas e singulares, com pétalas na cor amarelo-ouro. Florescem desde o início da primavera até no outono em cima de talos ocos que podem alcançar de 10 a 20 centímetros de altura. A cor dourada das flores produz um corante amarelo pálido para a lã. Depois da floração. A flor desenvolve um aglomerado redondo de até 200 aquênios (frutos com uma semente cada). Cada aquênio é coberto com um pelo branco e penas leves para carrega-lo na brisa. A raiz do dente-de-leão pode atingir até 45 centímetros de profundidade no solo.

História e curiosidades

O dente-de-leão é nativo da Grécia e cresce naturalmente em regiões temperadas em todo o mundo. A flor se desenvolve de forma perene em qualquer solo com terra e incidência de luz solar. O nome popular é derivado do francês “dent de lion”, referência para as margens irregulares da folha em forma de lança. O nome do gênero Taraxacum é derivado da palavra grega taraxos, que significa “desordem” e da palavra akos, que significa “cura. Outra derivação possível é do persa “tark hashgun”, que significa endívia-selvagem, um dos nomes comuns. Os dente-de-leões proporcionam alimento para muitos animais selvagens, tais como abelhas, cervos, gansos e coelhos.

DETOX NATURAL Renove
SUPLEMENTO NATURAL PARA CURAR ALCOOLISMO Noethyl Anti-Álcool
MELHORA A SAÚDE DOS RINS QPR Blend
REMÉDIO NATURAL PARA ELIMINAR PEDRAS NOS RINS Dissol
MELHORA A SAÚDE DO TRATO URINÁRIO Cran B
Referências:
Williams, Christine A., Fiona Goldstone, and Jenny Greenham. “Flavonoids, cinnamic acids and coumarins from the different tissues and medicinal preparations of Taraxacum officinale.” Phytochemistry 42.1 (1996): 121-127.
Mir, M. Amin, S. S. Sawhney, and M. M. S. Jassal. “Qualitative and quantitative analysis of phytochemicals of Taraxacum officinale.” Wudpecker Journal of Pharmacy and Pharmocology 2.1 (2013): 001-005.
Jeon, Hye-Jin, et al. “Anti-inflammatory activity of Taraxacum officinale.” Journal of ethnopharmacology 115.1 (2008): 82-88.
Duke, James A. The green pharmacy: New discoveries in herbal remedies for common diseases and conditions from the world’s foremost authority on healing herbs. Rodale, 1997.
Duke, James A., Ph.D. The Green Pharmacy. Emmaus, PA:
Rodale Press, 1997.
PDR for Herbal Medicines. Montvale, NJ: Medical Eco nomics Company, 1998.
Weiss, Gaea, and Shandor Weiss. Growing & Using the Healing Herbs. New York: Wings Books, 1992.
Hoffmann, David L. “Dandelion.” In Herbal Materia Medica. Health World Online.

Comentários

Comentar

QUER MAIS ?

Você pode se interessar por algumas de nossas publicações mais populares. Para isso, é só clicar em algum dos links abaixo para acessar gratuitamente:

(CLIQUE NO TÍTULO PARA ACESSAR)

Você também pode aproveitar e usar o nosso cupom MEDICINA10 para ganhar 10% de desconto em mais de 300 produtos naturais selecionados!  

Medicina Natural
Folhas