Como diminuir o estresse e viver melhor?

Estresse

Segundo pesquisas, cerca de 32% dos brasileiros sofrem com estresse, o que faz com que o Brasil ocupe o segundo lugar no ranking mundial.

Atualizado em 26/10/2023

O estresse pode ser definido como qualquer tipo de mudança que causa desgaste físico, emocional ou psicológico. O estresse é a resposta do seu corpo a qualquer coisa que requeira ação ou atenção. Na maioria das vezes, a melhor maneira de gerenciar o estresse envolve mudar a sua situação atual. Quando isso não é possível, a melhor estratégia envolve mudar a maneira como você responde à situação.

Principais causas do estresse

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), o ritmo de trabalho atual, obrigações e frequentes estímulos tem provocado danos as pessoas e ultrapassa o limite do corpo e da mente. A dificuldade de concentração tem como um dos primeiros fatores o cansaço mental, aliado ao estresse. O estresse causado pelo cotidiano pode fazer com que as pessoas desenvolvam, além de problemas de saúde, uma série de transtornos de ordem mental. Os sintomas mais comuns incluem: ansiedade, depressão, desordens do sono, dificuldade de concentração, distúrbios estomacais, dores de cabeça, dores musculares, fadiga crônica, irritabilidade, falta de energia, ganho ou perda de peso, pressão alta, problemas de pele, problemas no coração, dentre outras inúmeras condições nocivas para a saúde. Tanto o estresse de curto quanto o de longo prazo podem ter efeitos sobre o seu corpo. O estresse causa diversas mudanças no organismo, propiciando o desenvolvimento de doenças ou a piora de problemas de saúde já existentes.

Segundo uma pesquisa recente, cerca de 32% dos brasileiros sofrem com estresse, o que faz com que o Brasil ocupe o segundo lugar no ranking mundial, atrás apenas do Japão. A principal motivação do estresse seria o trabalho (carreira profissional). Também foram constatados que a dificuldade financeira e os relacionamentos interpessoais estão entre as principais causas do estresse nos brasileiros. Com a vida diária corrida e repleta de compromissos e pressões psicológicas, o estresse tem se tornado um problema comum entre homens e mulheres e até em crianças e adolescentes. Até um certo ponto é comum passar por situações estressantes, mas quando em excesso pode desencadear diversas reações ao organismo, causando doenças graves.

Os fatores que podem levar ao estresse

Os fatores estressores podem ser internos, quando são características de personalidade ou genético, ou externos, quando estão ligados ao ambiente e adaptação, mudanças profissionais, dificuldades financeiras, mortes, entre outros. Atualmente, cerca de 50% das mortes em adultos ocorrem devido a doenças cardiovasculares, enfartes e derrames, que são decorrentes em sua maioria do alto nível de estresse do paciente. A obesidade também é uma das principais consequências, após um dia estressante, normalmente as pessoas encontram na comida uma maneira de alívio para o corpo e mente.

Pesquisas descobriram que o estresse estimula a produção de um hormônio chamado ADAMTS1, que gera células de gordura no corpo quando as pessoas estão sobre algum tipo de pressão. Quando esse processo ocorre em órgãos como fígado e pâncreas, o risco de doenças cardíacas e diabetes tipo 2 também é aumentado.

Cortisol

O cortisol, conhecido como o “hormônio do estresse”, normalmente é associado de uma forma negativa à resposta do nosso corpo em situações de tensão. Ele não é o hormônio responsável por nos deixar mais ansiosos e estressados, mas sim, por preparar o organismo para reagir em situações de perigo. Produzido pela parte superior das glândulas suprarrenais, ou adrenais, o cortisol é uma hormona corticosteroide proveniente da família dos esteroides. Ao perceber a situação de estresse, as glândulas produzem o hormônio e liberam na corrente sanguínea. Níveis normais são liberados logo quando acordamos ou quando praticamos atividade física. Problemas associados a este hormônio só aparecem quando ele é produzido em excesso, sendo os principais gatilhos para o aumento dos níveis de cortisol de origem emocional. Um estudo feito pelo Imperial College London e publicado na revista científica The Lancet Diabetes & Endocrinology, mostrou que indivíduos com altos níveis de cortisol têm um maior risco de mortalidade ao contraírem doenças infecciosas, tanto bacterianas, quanto virais.

Os sintomas que indicam que o indivíduo se encontra em um estágio crítico são:

  • Aumento da pressão sanguínea.
  • Desgaste físico e mental;
  • Diminuição da libido;
  • Emotividade;
  • Gastrite;
  • Irritação;
  • Mal-estar;
  • Sensação de formigamento;
  • Perda de memória;
  • Problemas dermatológicos;
  • Redução ou excesso de apetite;
  • Tontura;

Como aliviar o estresse?

Para diminuir ou amenizar o estresse do dia-a-dia algumas medidas podem ser tomadas, tais como, uma mudança na alimentação aliada a uma rotina de exercícios físicos.

Alimentação saudável

Alimentos saudáveis

Alimentos saudáveis

O consumo equilibrado de carnes brancas, legumes e verduras, além da diminuição de doces e frituras e nas refeições é uma medida simples que ajuda a equilibrar o nível de stress.

Atividades físicas

Atividade física

Atividade física

A pratica de atividade física produz as endorfinas, importante para proporcionar o bem-estar para o indivíduo. Uma noite bem dormida e uma vida sexual saudável também evita a irritabilidade.

Fitoterápicos

Fitoterápicos

Fitoterápicos

Alguns fitoterápicos auxiliam muito na prevenção do estresse excessivo. O chá de camomila e o chá verde com suas propriedades calmantes sedam o sistema nervoso e relaxam a musculatura, previne a ansiedade e promove a qualidade do sono. O ginseng também é um excelente alimento, vez que reduz o nível do hormônio cortisol, que induz ao esgotamento, além de diminuir a fadiga.

Suplementos vitamínicos

Vitaminas e minerais

Vitaminas e minerais

Suplementos vitamínicos são ricos em vitaminas A, B e C e possuem propriedades antioxidantes, que combatem radicais livres e melhora as funções do organismo, prevenindo sintomas como ansiedade, nervosismo, irritação e proporcionando noites inteiras de sono.

Com esses cuidados, o estresse diário pode ser controlado, melhorando assim a qualidade de vida e promovendo o bem-estar.

Referências:
Stress. Mental Health Foundation.
Definition of Stress. MedicineNet.
EVANS, Gary W. (Ed.). Environmental stress. CUP Archive, 1984.
What Is Stress? Very Well Mind.
Estresse. SECRETARIA DE ESTADO DE Saúde GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS.
Cortisol: tudo que você precisa saber sobre o hormônio do estresse. Formularium.
Fosfatidilserina Fosfolipídeo Utilizado No Envelhecimento Cerebral E Distúrbios De Memória. Dermo Manipulações.
Guia da L-Tirosina → Benefícios, Funcionamento e Doses. Nutri Jobst. Sociedade Global..