Arteterapia: saúde com terapia artística

Arteterapia

A arteterapia, também chamada de terapia artística criativa, encoraja as pessoas a se expressarem e entenderem suas emoções, podendo melhorar a saúde.

Atualizado em 04/07/2022

A arteterapia, também chamada de terapia artística criativa e terapia de artes expressivas, encoraja as pessoas a se expressarem e entenderem suas emoções através da expressão artística e através do processo criativo. A arteterapia possui como principal objetivo atuar como um catalisador, favorecendo o processo terapêutico, de forma que o indivíduo entre em contato com conteúdos internos e muitas vezes inconscientes, normalmente barrados por algum motivo, assim expressando sentimentos e atitudes até então desconhecidos. A arteterapia é benéfica para pessoas de qualquer idade, sendo utilizado tanto para o autoconhecimento e autoexpressão, como também nos casos de doenças mentais.

O que é a arteterapia?

A arteterapia é uma disciplina híbrida baseada principalmente nas áreas das artes e da psicologia. A prática pode ser baseada em diferentes referenciais teóricos, como a psicanálise, a psicologia analítica, a Gestalt-terapia, dentre outras abordagens advindas especialmente do campo da psicologia, que considera fundamental a compreensão do arteterapeuta acerca do ser humano. Desta forma, os conceitos em arteterapia diferenciam-se amplamente conforme a abordagem seguida pelo arteterapeuta.

A arteterapia resgata o potencial criativo do homem, procurando a psique saudável e estimulando a autonomia e transformação interna para reestruturação do ser. Propõe-se então, a estruturação da ordenação lógica e temporal da linguagem verbal de indivíduos que preferem ou de outros que só conseguem expressões simbólicas. A busca da terapia da arte é uma maneira simples e criativa para resolução de conflitos internos, é a possibilidade da catarse emocional de forma direta e não intencional.

Benefícios da arteterapia

A arteterapia fornece ao cliente artista insight sobre emoções, pensamentos e sentimentos. Os benefícios do processo de terapia de arte incluem:

Autodescoberta

Na sua mais bem-sucedida terapia artística desencadeia uma catarse emocional.

Capacitação

A arteterapia pode ajudar as pessoas a expressar visualmente emoções e medos que eles não podem expressar através de meios convencionais, e pode dar-lhes algum senso de controle sobre esses sentimentos.

Realização pessoal

A criação de uma tangível recompensa pode construir confiança e nutrir sentimentos de autoestima. O cumprimento pessoal vem tanto de componentes criativos e analíticos do processo artístico.

Reabilitação física

A arte pode ajudar os pacientes a lidar com a dor. Esta terapia pode promover a cura fisiológica quando os pacientes identificarem e trabalharem com raiva, ressentimento e outros estressores emocionais. Muitas vezes é prescrito para acompanhar a terapia de controle da dor de forma crônica e pacientes com doença terminal.

Relaxamento e alívio do estresse

O estresse crônico pode ser prejudicial à mente e ao corpo. O estresse pode enfraquecer e danificar o sistema imunológico, pode causar insônia, depressão, além de desencadear problemas circulatórios (como pressão alta e batimentos cardíacos irregulares). Quando usado sozinho ou em combinação com outras técnicas de relaxamento como imaginação guiada, a arte terapia pode efetivamente aliviar o estresse.

A importância da arteterapia para crianças

A arte pode ser útil para crianças e adolescentes.

A arteterapia pode ser um tratamento particularmente útil para crianças, que frequentemente têm habilidades de linguagem. Ao desenhar ou usar outros recursos visuais significa expressar sentimentos incômodos, mais os pacientes jovens podem começar a resolver esses problemas, mesmo se eles não puderem identificar ou rotular essas emoções com palavras. Arteterapia também é valiosa para adolescentes e adultos que são incapazes ou não querem falar sobre pensamentos e sentimentos.

Como é feito o tratamento com a terapia artística?

Arte. Foto: Maria Eduarda Tavares.

Antes de iniciar a terapia artística, o terapeuta pode ter uma sessão introdutória com o artista-cliente para discutir técnicas da arteterapia e proporcionar ao cliente a oportunidade de fazer perguntas sobre o processo. O conforto do artista-cliente com o processo artístico é fundamental para terapia de arte de sucesso.

Enquanto a arte é acessível a todos (com ou sem terapeuta para guiar o processo), pode ser difícil aproveitar todo o potencial da parte interpretativa da arte terapia sem um terapeuta para guiar o processo. Quando a arteterapia é escolhida como uma ferramenta terapêutica para lidar com uma condição física, ela deve ser tratada como uma terapia suplementar e não como um substituto para tratamentos médicos convencionais.

A ”análise” da obra de arte produzida na arteterapia normalmente permite que os pacientes ganhem algum nível de insight em seus sentimentos e os deixa trabalhar através destas questões de uma forma construtiva. A conexão entre a saúde mental e a saúde física está bem documentada e a arteterapia pode promover a cura, aliviando o estresse e permitir ao paciente desenvolver habilidades de enfrentamento. Há um entendimento que a definição da terapia artística pode ser ampliada e englobar cinema, dança, escrita, música e outros tipos de expressão artística.

Materiais e métodos da arteterapia

A arte e a arteterapia em família
A arte e a arteterapia em família

O terapeuta garante que os materiais apropriados e espaço estão disponíveis para o artista-cliente, bem como uma quantidade adequada de tempo para a sessão. Se o artista individual está explorando a arte como terapia sem a orientação de um terapeuta treinado, materiais adequados, espaço e tempo ainda são fatores importantes em uma experiência criativa bem sucedida.

Os suprimentos usados na arteterapia são limitados apenas pela imaginação do artista e /ou do terapeuta. Alguns dos materiais usados com frequência incluem adesivo, argila, barbantes, papel, cartolina, carvões, gizes, lápis, madeira, tecidos, tela, tintas e os mais variados itens. Fornecer aos pacientes artistas uma variedade de materiais em cores sortidas e texturas pode aumentar seu interesse no processo e pode resultar em uma exploração mais rica e diversificada de suas emoções na obra de arte resultante. Ferramentas apropriadas como tesouras, escovas, borrachas, cavaletes, bandejas de pistolas de cola, batas ou aventais e materiais de limpeza também são essenciais.

Um espaço de trabalho apropriado deve estar disponível para a criação de arte. Idealmente, isso deve ser um lugar tranquilo e confortável, com grandes mesas, balcões, ou outras superfícies adequadas. O espaço pode ser tão simples como uma cozinha ou mesa de escritório, ou tão chique como um estúdio. O artista deve ter tempo suficiente para se tornar confortável para explorar o processo criativo. Quando realizada uma sessão ou terapia em grupo, a arte terapeuta deve estar disponível para responder as perguntas gerais sobre materiais e o processo criativo. Contudo, o terapeuta deve ser cuidado para não influenciar a criação ou interpretação do trabalho.

Os materiais e técnicas de arte devem corresponder a idade e capacidade do cliente. Pessoas com deficiências, tais como lesão cerebral traumática ou uma condição neurológica orgânico, pode ter dificuldades com a autodescoberta, uma parte do processo de terapia de arte dependendo do seu nível de funcionamento. Contudo, tais pacientes ainda podem se beneficiar da arteterapia através da estimulação sensorial fornecida e o prazer que eles recebem da criação artística.

História da arteterapia

Arteterapia: máscaras antigas
Arteterapia: máscaras antigas

Os humanos se expressaram com símbolos através da história. Máscaras, cerâmica ritual, fantasias, outros objetos usados em rituais, desenhos de cavernas, hieróglifos egípcios e arte e símbolos celtas são todos os registros visuais de auto expressão e comunicação através da arte. A arte também tem sido associada ao poder espiritual e formas artísticas como a mandala hindu e budista e pintura de areia nativo americano que são consideradas poderosas ferramentas de cura.

No final do século XIX, os psiquiatras franceses Ambrose Tardieu e Paul-Max Simon publicaram estudos sobre as características similares e simbolismo na obra de arte dos doentes mentais. Tardieu e Simon viam a arte terapia como uma ferramenta eficaz de diagnóstico para identificar tipos específicos de doença mental ou eventos traumáticos.

Terapias e testes

Mais tarde, psicólogos usaram esta ferramenta de diagnóstico para desenvolver testes de desenho psicológico. O teste” draw-a-man”, conhecido como questionário “desenhe uma pessoa” é um deles. Há também testes de reconhecimento de personalidade projetiva envolvendo símbolo visual. Por exemplo, o “Rorschach Inkblot Test”, o Teste de Apercepção Temática [TAT] e o Holtzman Teste de Mancha de Tinta [HIT]).

A crescente popularidade das terapias do meio em instituições psiquiátricas no século XX foi um fator importante no desenvolvimento da arteterapia nos Estados Unidos. Terapias do milieu (ou terapia ambiental) se concentram em colocar o paciente em um ambiente social terapêutico que fornece oportunidades de ganhar autoconfiança e interagir com os colegas de uma forma positiva. Atividades que encorajam a autodescoberta e o fortalecimento, como arte, música, dança e escrita são componentes importantes desta abordagem.

A educadora e terapeuta Margaret Naumburg foi uma seguidora de ambos, Freud e Jung, e incorporou a arte em psicoterapia como um meio para seus pacientes visualizarem e reconhecerem o inconsciente. Ela fundou a Walden School em 1915, onde ela usava as obras de arte dos alunos em aconselhamento psicológico. Ela publicou extensivamente sobre o assunto e ministrou seminários sobre a técnica na Universidade de Nova York na década de 1950. Hoje, ela é considerada a fundadora da arteterapia nos Estados Unidos.

Na década de 1930, Karl, William e Charles Menningeras introduziram um programa de terapia de arte em seu hospital psiquiátrico do Kansas. A Clínica Menninger empregou um número de artistas residentes nos anos seguintes. O hospital foi considerado líder na arte movimento de terapia através dos anos 50 e 60. De outros notáveis pioneiros da terapia artística que surgiram nos anos 50 e os anos 60 incluem Edith Kramer, Hanna Yaxa Kwiatkowska (Instituto Nacional de Saúde Mental dos Estados Unidos) e Janie Rhyne.

Fausek, Diane. A Practical Guide to Art Therapy. Bing Hamton, New York: Haworth Press, 1997.
Ganim, Barbara. Art and Healing: Using expressive art to heal your body, mind, and spirit. New York: Three Rivers Press, 1999.
Malchiodi, Cathy A. The Art Therapy Sourcebook. Los Angeles: Lowell House, 1998.
American Art Therapy Association.1202 Allanson Rd., Mundelein, IL.