Ômega-6: benefícios, efeitos, fontes e propriedades

Os ácidos graxos ômega-6, junto com o ômega-3, são os dois grupos de ácidos graxos essenciais necessários para a nutrição humana. O ômega-6 deve ser consumido diariamente por meio da alimentação ou suplementação vez que não são produzidos pelo organismo.

Ômega-6

O ômega 6 é pouco conhecido, contudo, é um ácido graxo essencial tão importante quanto o ômega 3, vez que desempenha diversas funções fundamentais na estrutura das membranas celulares e processos metabólicos. Os ácidos linoleicos ômega 3 e ômega 6 agem juntos de forma que mantem sob condições normais as membranas celulares, funções cerebrais e transmissão de impulsos nervosos. Além disso, participam da transferência do oxigênio para o plasma sanguíneo, da síntese da hemoglobina e da divisão celular. Existem vários tipos de ômega 6, mas o que tem benefícios comprovados cientificamente é o ácido gama linolênico (GLA) encontrado em alguns óleos vegetais

O óleo com maior concentração de ômega 6 é o óleo de prímula, que a cada dia ganha mais popularidade por seus benefícios na saúde, tais como redução da tensão pré-menstrual, prevenção de doenças cardiovasculares, inflamações, controle do diabetes, eczemas (problemas na pele), hiperatividade infantil, combate a infertilidade feminina, dentre outros condições de saúde. O ácido linoleico é um poli-insaturado com 18 ácidos graxos contendo duas ligações duplas. Como o ácido linoleico é absorvido e metabolizado no corpo humano, é convertido em um ácido graxo derivado, ácido gama linoleico (GLA). Uma dieta saudável inclui ácidos graxos ômega-6 em equilíbrio com ácidos graxos ômega-3. Uma relação ótima é de quatro partes de ômega-6 para uma parte de ômega-3.

Fontes de ômega 6

Fontes vegetais incluem óleos vegetais como o cártamo, caroço de algodão, gergelim, milho, prímula, semente de girassol, soja. O ômega 6 também pode ser encontrado em sementes de groselha, bem como em nozes e sementes cruas, legumes e folhas verdes. Fontes animais de ômega-6 (embora em quantidades menores que nas plantas) são carnes magras, carnes de órgãos (fígado, por exemplo) e leite materno.

Antidiabéticos Insulinas VegetaisAntidiabéticos que agem como hipoglicemiantes e insulinas vegetais
Emagrecedores Emagrecedores Suplementos naturais para inibir o apetite e queimar gorduras
Sucupira Sucupira em Cápsulas Alivia dores de artrite/reumatismo e controla o diabetes
Melatonina MelatoninaDurma melhor e com mais qualidade. Adquira o hormônio do sono.
Maca-Peruana Maca-Peruana Em Cápsulas e Pó. Rica em nutrientes. Aumenta a libido, desejo sexual e vigor.

Ácidos graxos essenciais

São considerados macronutrientes cujo o corpo necessita de quantidades diárias em gramas (comparado a micronutrientes como vitaminas, que são necessárias em miligramas por dia). Os ácidos ômega-6 fornecem energia, são componentes de células nervosas e membranas celulares e são convertidos em substâncias semelhantes a hormônios conhecidas como prostaglandinas. No corpo, os ácidos graxos essenciais e as prostaglandinas são constituintes primários das membranas celulares e são as principais fontes de energia para o músculo cardíaco, além de serem necessários para a fisiologia normal, incluindo:

  • Ajustar a circulação colateral, dos músculos lisos e reflexos autonômicos
  • Controlar a entrada e saída de substâncias nas células;
  • Controlar a pressão articular, ocular e sanguínea;
  • Dilatar ou constringir os vasos sanguíneos;
  • Direcionar hormônios endócrinos para suas células-alvo;
  • Manter a fluidez e rigidez celular;
  • Manter adequada a função renal e o equilíbrio de fluidos;
  • Melhorar a resposta imune;
  • Produzir esteroides e sintetizar hormônios;
  • Regular da taxa de divisão celular;
  • Regular das secreções corporais e sua viscosidade;
  • Transportar oxigênio dos glóbulos vermelhos para os tecidos.

Ensaios clínicos demonstraram que os ácidos graxos essenciais protegem o organismo contra câncer, doenças autoimunes (incluindo artrite reumatoide e esclerose múltipla, doenças cardíacas, doenças de pele (acne, eczema e psoríase) e ainda protege contra AVC’s (acidente vascular cerebral). A prevalência de doenças cardíacas em populações foi demonstrado ser inversamente proporcional ao concentração relativa de ácido linoleico na dieta. Tanto o ácido linoleico como seus derivados são obtidos de origem vegetal e animal.

Deficiência de ômega-6

A maioria das pessoas recebe quantidades suficientes de ômega-6 ácidos graxos em sua dieta. Deficiências são raras e limitada a pessoas com má absorção grave, síndrome do intestino ou dietas extremamente baixas em gorduras. Para aqueles que são incapazes de converter ácido linoleico em GLA, suplementos podem ser tomados para aumentar a produção de prostaglandina. Alimentos como o óleo de borragem, groselha ou prímula contêm boas quantidades de GLA. Para pacientes diabéticos, a suplementação com GLA melhora a função dos nervos. Os suplementos de GLA, óleo de groselha-preta, óleo de prímula e óleo de borragem estão disponíveis em forma de cápsulas.

Nutrição recomendada

O consumo diário de ácidos graxos ômega-6 por muitos pessoas podem ser excessivas, devido à presença de ômega-6 em alimentos processados e óleos vegetais de cozinha comuns. A proporção de consumo entre ácidos graxos ômega-6 e ômega-3 pode chegar a 20 para 1. Conseguir uma proporção mais desejável requer a eliminação de fontes de ômega-6, especialmente aqueles em alimentos processados. Ao mesmo tempo, é necessário aumentar a quantidade de ácidos graxos ômega-3 consumidos através de óleo de peixe ou suplementos de linhaça.

O Conselho do Departamento de Agricultura dos EUA estabeleceu a ingestão diária recomendada de ácido linoleico baseado na idade e sexo. Para homens com mais de 19 anos, a recomendação é de 17 gramas por dia; para mulheres com mais de 19 anos, a ingestão recomendada é de 11 a 12 gramas por dia, dependendo da idade. Crianças mais jovens, mulheres grávidas e mulheres que estão amamentando geralmente precisam de um pouco menos ácido linoleico do que esses níveis. O consumo desse ácido graxo serve principalmente para baixar o colesterol ruim (LDL) e os triglicerídeos, ele impede a formação de coágulos que podem obstruir o fluxo sanguíneo e provocar infarto do miocárdio ou acidente vascular cerebral.

Contraindicações e efeitos colaterais do ômega-6

O consumo excessivo de óleos ômega-6 em relação ao consumo de óleos ômega-3 pode levar a uma superprodução de prostaglandinas produtoras de inflamação que podem levar a uma variedade de problemas de saúde. O ácido linoleico em excesso parece aumentar o risco de uma pessoa desenvolver degeneração macular relacionada à idade, uma doença do olho que causa progressiva perda de visão e eventual cegueira.

ANTIOXIDANTE / PREVINE CONTRA O CÂNCER Nutraskin Antiox Resveratrol
COMPOSTO NATURAL COM FITOESTROGÊNIO Isoflavona 500mg
MELHORA A SAÚDE DOS RINS QPR Blend
ESTIMULANTE SEXUAL MASCULINO PREMIUM Libiforce Man
CONTROLA ANSIEDADE, DEPRESSÃO E ESTRESSE Mild Mag
Referências:
Wexler, Barbara. Fish Oil, Omega 3 and Essential Fatty Acids. Chapmanville, WV: Woodland Press, 2007.
Simopoulos, Artemis P. “Evolutionary aspects of diet, the omega-6/omega-3 ratio and genetic variation: nutritional implications for chronic diseases.” Biomedicine & pharmacotherapy 60.9 (2006): 502-507.
Simopoulos, Artemis P. “The importance of the ratio of omega-6/omega-3 essential fatty acids.” Biomedicine & pharmacotherapy 56.8 (2002): 365-379.
Rashid, Saadia, et al. “Topical omega-3 and omega-6 fatty acids for treatment of dry eye.” Archives of ophthalmology 126.2 (2008): 219-225.
Conklin, Sarah M., et al. “High ω-6 and low ω-3 fatty acids are associated with depressive symptoms and neuroticism.” Psychosomatic medicine 69.9 (2007): 932-934.

Comentários

Comentar