Linhaça: benefícios do óleo e da semente

Semente de linhaça

Conheça os benefícios, efeitos e propriedades medicinais do óleo de linhaça (Linum usitatissimum), planta também conhecida como linhaça-dourada e linho.

Atualizado em 21/09/2022

A linhaça (Linum usitatissimum) é uma planta medicinal também conhecida como linhaça-dourada, linho, flax e linseed (inglês). Inclui as espécies Linum lewisii e Linum perenne. Pertence à família Linaceae. O óleo das sementes de linhaça concentra grande parte das propriedades curativas.

Benefícios da linhaça

A linhaça é considerada um dos alimentos mais poderosos do planeta, vez que apresenta algumas evidências que conseguem diminuir o risco de doença cardíaca, câncer, acidente vascular cerebral e diabetes. As propriedades da semente de linhaça ajudam a melhorar a digestão, reduzir o colesterol, equilibrar os hormônios, reduzir o desejo de açúcar, promover a perda de peso e combater o câncer. Suas pequenas sementes (castanhas, bronzeadas ou douradas) são ricas em ácidos graxos ômega-3, chamados ácidos alfa linolênico (ALA).

A linhaça é enriquecida com alguns dos nutrientes mais essenciais e básicos que nosso corpo requer, incluindo fibras, proteínas, magnésio, cálcio, fósforo, lignanas, dentre outros nutrientes e minerais. Uma porção (3 colheres de sopa) contém:

  • Fibras (8g);
  • Fósforo (19%);
  • Magnésio (30%);
  • Manganês (35%);
  • Ômega-3 (ALA) 6,338mg;
  • Selênio (10%);
  • Vitamina B1 (31%).

As lignanas da linhaça ajudam a combater altos níveis de estrogênio e ajudam na manutenção de níveis hormonais balanceados, sendo que o vegetal é a principal fonte lignanas em dietas humanas (as sementes de linhaça contêm cerca de 7 vezes mais lignanas que as sementes de sésamo, mais próximas do segundo nível). As sementes ainda são densas em energia e promovem saciedade no organismo (sensação de estar cheio), facilitando o controle de peso. Além disso, a planta contém grande e boa quantidade de ferro, vitamina B6, potássio, zinco e cobre. Tais características a tornam um dos alimentos mais nutritivos e indicados para todos os tipos de dietas.

Na culinária, as sementes podem ser consumidas cruas ou cozidas. Pode ser acrescentados a cereais, pães, biscoito, molhos e iogurtes. Para usufruir dos efeitos laxativos, se pode ingerir diretamente duas colheres de sopa das sementes (é necessário consumir bastante líquidos para o laxante ter o efeito desejado). O chá de linhaça possui propriedades emolientes.

Óleo de linhaça

O óleo de linhaça pode ser utilizado em dietas para perda de peso.

Óleo de linhaça

O óleo da linhaça pode ser extraído por meio de suas sementes, muito famosas entre os adeptos de uma vida mais saudável e natural, as quais concentram a maior parte de todas as propriedades cultivadas da Linum usitatissimum. Dentro dos seus usos tradicionais podemos citar os seguintes:

  • Asma;
  • Artrite;
  • Bronquites;
  • Catarro;
  • Cistite;
  • Constipação;
  • Dor de garganta;
  • Herpes;
  • Pneumonia;
  • Pleurisia;
  • Psoríase;
  • Queimaduras;
  • Tosse.

Além disso, o óleo de linhaça possui diversas propriedades medicinais e age como antitussígeno, analgésico, emoliente, anti-inflamatório, laxante, expectorante, nutritivo e demulcente. O óleo de linhaça é amplamente usado para perda de peso.

Benefícios do óleo de linhaça para perda de peso

Associar o óleo de linhaça à dieta pode ser significativo para quem busca perder peso. Os óleos ômega 3-6, encontrados geralmente em peixes, estão presentes na linhaça e são essenciais para o funcionamento do organismo. O consumo destes ácidos graxos poliinsaturados no lugar de gorduras saturadas e trans em uma dieta reduz o risco de colesterol elevado e de doenças cardíacas, além de auxiliar na absorção de algumas vitaminas, suprir os níveis de gordura diários exigidos pelo corpo e substituir as gorduras consideradas “ruins” por gorduras “boas”, que fazem bem para o organismo.

O óleo de linhaça pode ser inserido em uma dieta equilibrada que tenha como objetivo o emagrecimento e, a melhor forma é adicioná-lo em alimentos crus ou então em alimentos quentes após o preparo, como em saladas, molhos e sopas. Contudo, o óleo de linhaça é rico em calorias e não deve ser consumido em excesso, vez que uma colher de sopa contém cerca de 120 calorias. Por outro lado, consumi-lo nas quantidades recomendadas e equilibra-lo de forma correta torna o óleo um auxiliar benéfico para reduzir o peso. A linhaça é frequentemente utilizada em sua forma líquida, contudo, é possível encontrar cápsulas disponíveis no mercado. O óleo de linhaça em cápsulas pode ser uma opção ideal para quem deseja usufruir dos benefícios consumindo menos calorias.

Quantidade ideal de consumo

Para associar o óleo de linhaça a perda de peso, deve-se tomar cuidado com as doses diárias consumidas. A dose irá depender da quantidade diária de ácidos graxos estabelecida pelo médico ou nutricionista e a quantidade que deverá ser consumida durante a dieta. Outro fator que também implica na dosagem é a quantidade de calorias que se deseja queimar.

Contraindicações e efeitos colaterais do óleo de linhaça

Embora proporcione vastos benefícios para a saúde, é importante ressaltar que seu consumo deve ser realizado com cautela. Por se tratar de um óleo, não deve ser consumido em excesso, pois todo e qualquer óleo em excesso torna-se prejudicial para o organismo. A linhaça também pode reagir com outros medicamentos, retardando sua absorção. As principais interações ocorrem com remédios anticoagulantes, como é o caso da aspirina, cujos efeitos do ômega 3 podem reforçar a atuação em afinar o sangue.

Outra ressalva se refere aos medicamentos que tratam doenças cardíacas. Apesar de trazer benefícios para a saúde do coração, não é aconselhável associar os medicamentos ao óleo sem a supervisão de um médico. A Linum usitatissimum também é capaz de aumentar os níveis de açúcar no sangue quando em jejum e, portanto, o ideal é não utilizar junto com outros medicamentos que possuam como função baixar os níveis de açúcar.

História e curiosidades

As sementes de linho são consumidas há mais de 6.000 anos e podem ter sido as primeiras sementes de superalimentos cultivadas dentro do nosso solo. O linho foi cultivado na Babilônia já em 3000 a.C. No século VIII, o rei Carlos Magno acreditava tão fortemente nos benefícios para a saúde que ele aprovou as leis que exigem que seus servos a consumissem. O nome da espécie “usitatissimum” traduzido significa “muito útil”, fazendo jus a todos os seus benefícios e aspectos nutritivos tão potentes, já que apenas uma pequena quantidade por dia pode ser o suficiente para uma vida mais nutritiva e saudável. As fibras de algumas espécies são usadas para fazer papel, linho e barbante. Mahatma Ghandi disse uma vez que “sempre que as sementes de linho se tornarem uma alimento regular entre as pessoas, a saúde melhorará.

Referências:
Green, A. G. “Genetic control of polyunsaturated fatty acid biosynthesis in flax (Linum usitatissimum) seed oil.” TAG Theoretical and Applied Genetics 72.5 (1986): 654-661.
Green, A. G., and D. R. Marshall. “Variation for oil quantity and quality in linseed (Linum usitatissimum).” Australian Journal of Agricultural Research 32.4 (1981): 599-607.
Flaxseed oil. University of Maryland Medical Center.
Flaxseed Oil (Linum Usitatissimum). Health Benefits. Herbswisdom.
The Benefits of Flaxseed Oil for Weight Loss. Sylvie Tremblay, MSc. Livestrong.
Benefits of Flaxseed Oil Capsules. Nadia Haris. Livestrong.
Benefits of Flaxseed Oil & Borage Oil. Karen Hellesvig-Gaskell. Livestrong.