Haritaki (Terminalia chebula): para que serve

Haritaki - Terminalia chebula

Conheça os benefícios, efeitos colaterais, indicações e propriedades medicinais do haritaki (Terminalia chebula), planta medicinal usada na medicina ayurvédica.

Atualizado em 20/09/2022

O haritaki (Terminalia chebula) é uma planta medicinal também conhecida groselha-indiana (indian gooseberry), harada, black chebulic, chebulic myrobalan (inglês); abhaya, harao, arura (hindi), dentre outros nomes populares. Nos países ocidentais, como Brasil e Estados Unidos, o pó da haritaki fino é usado principalmente na medicina alternativa, vez que possui algumas propriedades notáveis para melhorar sua saúde e bem-estar. Em sânscrito, a palavra haritaki significa “expelir a doença para fora”. A Terminalia chebula é usada como um tônico usado para aumentar inteligência, intrepidez e sabedoria.

Benefícios e propriedades medicinais do haritaki

O haritaki é um dos ingredientes da Triphala, composto aiurvédico de três frutas elaborado para melhorar a digestão e a saúde do intestino, ao manter o processo natural de limpeza do organismo com suavidade. Na Triphala, o haritaki (Terminalia chebula) é combinado com amla (Emblica officinalis) e baheda (Terminalia belerica). A fórmula proporciona benefícios para pessoas com tendência a ter um trato gastrintestinal preguiçoso devido a um estilo de vida sedentário e ao consumo exagerado de carboidratos, carne vermelha e laticínios.

O haritaki é utilizado no tratamento de uma ampla quantidade de condições de saúde, sendo útil no alivio febre e tosse, cicatrização e cura de feridas (incluindo úlceras), constipação, doenças neurodegenerativas (como o Alzheimer), dor de cabeça e dor de garganta, encolhimento de hemorroidas (quando usadas externamente), inflamações oculares (quando usado como enxaguante no olho). Também é capaz de melhorar a digestão e aumentar a imunidade, problemas dentários como cáries e sangramento de gengivas, problemas de pele como acne e eczema e prevenção e tratamento de cálculos renais (pedras nos rins). Além disso, é útil para controlar e reduzir a taxas de colesterol e níveis de açúcar no sangue.

A fruta é um laxativo que não causa irritação. Na medicina popular, é usada em forma de gargarejo para feridas na boca. O pó pode ser utilizado como pasta de dentes. Em forma de ducha pode tratar leucorreia e vaginite. Compressas para olhos doloridos. É defumado em um tubo de água para aliviar a asma.

Contraindicações e efeitos colaterais da haritaki

O uso é contraindicado sem supervisão médica por gestantes e pacientes diabéticos (vez que a Terminalia chebula reduz os níveis de açúcar no sangue. Em crianças pequenas, o uso deve ser feito sob supervisão médica. O composto Triphala não é recomendado para pessoas que sofrem de exaustão e logo após períodos de jejum. O uso não deve ser feito por pessoas abaixo do peso ideal ou em fase de recuperação de doenças, além de pacientes desidratados. Também é contraindicado o uso por mulheres que acabaram de experimentar uma menstruação pesada e pessoas que consumiram grande quantidade de álcool ou praticaram muita atividade sexual.

História e curiosidades

O haritaki cresce em toda a Ásia, particularmente nas florestas do norte da Índia, onde possui uma longa história de uso medicinal como uma panaceia de saúde e cura natural para uma grande variedade de distúrbios e doenças. A Terminalia chebula é considerada uma sagrada para Shiva e pode ser visualizada na mão do Buda da Medicina (Bhaishajaguru Vaiduryaprabha). A espécie faz parte da família Combretaceae.

Referências:
Kumar, Gandhipuram Periasamy Senthil, Palanisamy Arulselvan, Durairaj Sathish Kumar, and Sorimuthu Pillai Subramanian. “Anti-diabetic activity of fruits of Terminalia chebula on streptozotocin induced diabetic rats.” Journal of health science 52, no. 3 (2006): 283-291.
Hazra, B., Sarkar, R., Biswas, S., & Mandal, N. (2010). Comparative study of the antioxidant and reactive oxygen species scavenging properties in the extracts of the fruits of Terminalia chebula, Terminalia belerica and Emblica officinalis. BMC Complementary and alternative medicine, 10(1), 20.