Carvão ativado: para que serve? Quais os benefícios?

O carvão ativado é usado desde a antiguidade para curar uma variedade de doenças, incluindo envenenamento. Os efeitos de cura foram bem documentados desde 1550 a.C. pelos antigos egípcios. Contudo, o carvão vegetal ativado foi quase esquecido por vários séculos, até que, cerca 15 anos atrás, foi redescoberto como um agente oral maravilhoso para tratar overdoses e eliminar toxinas do organismo.

O que é o carvão ativado?

O carvão ativado é uma forma de carbono puro com porosidade bastante desenvolvida, o que o torna altamente adsorvente de gases e partículas do sistema digestivo. O pó é fino, de cor preta e inodoro, podendo ser encontrado em forma de cápsulas ou comprimidos. O carvão ativado é obtido a partir da queima controlada com baixo teor de oxigênio de certas madeiras a uma temperatura de 800 °C a 1000 °C. Durante o processo, é necessário tomar cuidado para evitar que ocorra a queima total do material, de forma a manter sua porosidade.

O composto é feito a partir de cascas de coco, mas também de restos de cortiça, material muito poroso, com características excelentes no campo da desodorização, filtração e remoção de radioativos e tóxicos. Os princípios ativos que contém no carvão faz com que ele se ligue a substâncias irritantes ou tóxicas no estômago e intestinos e evite que o medicamento tóxico ou químico se espalhe por todo o corpo. Após a ligação do carvão com a substância tóxica, ele é então excretado nas fezes sem causar danos ao corpo.

Para que serve o carvão ativado?

A principal função do carvão ativado é remover impurezas do organismo, desta forma, é recomendado para o tratamento de envenenamentos, intoxicação por alimentos, drogas, medicamentos ou produtos químicos. Ajuda a evitar a absorção da maioria dos venenos ou drogas pelo estômago e intestinos. Pode ser usado pela maioria das pessoas e também demonstra resultados efetivos em cães, coelhos, gatos e outros animais.

Outro uso do carvão ativado é para combater infecções por bactérias, vírus, subprodutos tóxicos bacterianos, entre outros. Para o uso externo, deve-se misturar um pouco de água ao pó para que seja formada uma pasta, a aplicação na pele alivia a dor e coceira decorrentes de mordidas e picadas. Estima-se que por ano, um milhão de crianças sofrem com overdose acidental por confundirem drogas com balas ou por beberem e inalarem produtos domésticos tóxicos.

Em 2000, a Associação Americana de Controle de Intoxicações (Estados Unidos) revelou que mais de um milhão de chamadas foram recebidas de centros em todo o país em relação ao envenenamento de crianças com menos de seis anos de idade. O carvão ativado é um dos agentes mais usados para salvar bebês e crianças expostas ao veneno, visto que tem a capacidade de absorver grandes quantidades de venenos rapidamente. Além disso, não é tóxico, pode ser armazenado por um longo tempo e pode ser administrado em casa.

Prisão de Ventre Digestivos Remédios naturais para combater má digestão e prisão de ventre.
Pedras nos Rins Pedras nos Rins Conheça fitoterápicos para eliminar cálculos renais.
Chás Chás Medicinais Chás 100% naturais e orgânicos para diversos objetivos.
Noethyl Anti-Álcool Noethyl Anti-Álcool O melhor suplemento natural para curar o alcoolismo.

Desordens intestinais

Gases intestinais
Gases intestinais

O carvão ativado era utilizado a muito tempo atrás como um remédio popular para tratar gases intestinais. O composto impede a formação de flatulências por meio da ligação dos subprodutos causadores de gases presentes em alguns alimentos. Mesmo antes da descoberta da América por europeus, nativos americanos usavam carvão em pó misturado com água para tratar uma dor de estômago, atualmente está sendo redescoberto como um tratamento alternativo para esta condição. O carvão ativado funciona como uma esponja, sua enorme área de superfície é ideal para absorver substâncias diferentes, incluindo gases intestinais.

Em um estudo, pessoas que tomaram carvão ativado depois de comer uma refeição com alimentos ricos em produção de gases intestinais não produziam mais flatulências do que aqueles que não consumiram esses mesmos alimentos. O carvão vegetal tem também tem sido usado para tratar outros distúrbios intestinais, como cãibras, constipação e diarreia. Há poucos estudos para apoiar estes usos e também há preocupações com o uso frequente de carvão, visto que ele pode diminuir absorção de nutrientes essenciais, especialmente em crianças.

Envenenamentos

Envenenamento
Envenenamento

Quando há suspeita de envenenamento, um centro de controle de intoxicações deve ser acionado afim de se obter instruções antes de qualquer procedimento. Nestes casos, o uso do carvão ativado pode ser recomendado e deverá estar disponível em casa para que possa ser administrado a criança envenenada ou animal de estimação imediatamente.

Um estudo de 2002 mostrou que, em alguns casos em que o carvão ativado foi administrado mais cedo em casa antes do atendimento de emergência foi benéfico para as crianças que ingeriram cogumelos venenosos. Contudo, o estudo concluiu que mais pesquisas eram necessárias para ter certeza de que as doses administradas em casa eram precisas e a melhor solução para outros tipos de envenenamento.

Como usar o carvão ativado?

Além desses principais usos, o carvão ativado ainda pode ser usado em conjunto com outros remédios naturais, tais como a Aloe vera, o Lactobacillus acidophilus e o psyllium, que pode ajudar a manter os sintomas de colite ulcerativa sob controle. O carvão ativado pode ser comprado sem receita médica e é encontrado em farmácias e lojas de produtos naturais em forma de cápsulas, comprimidos ou pó. A dosagem pode variar para cada caso, devendo ser levado em consideração a ocorrência e a idade da pessoa. Em casos de envenenamento agudo, a dosagem recomendada por especialistas é a seguinte:

  • Bebês (com menos de 1 ano de idade): 1 grama por cada quilo;
  • Crianças de 1 a 12 anos de idade: 15-30 gramas ou 1-2 g por quilo com pelo menos 250 ml de água;
  • Adultos: 30-100 gramas ou 1-2 g por quilo com pelo menos 250 ml de água.

Contraindicações e efeitos colaterais do carvão vegetal ativado

O carvão ativado não deve ser tomado em conjunto com xarope de ipeca, vez que irá adsorver o ipeca. Alguns produtos de carvão ativado contêm sorbitol, um adoçante, que tem efeito semelhante a um laxante, portanto, pode causar diarreia e vômitos graves. Estes os produtos não devem ser usados em lactentes e gestantes, visto que o carvão pode interferir na absorção de medicamentos e nutrientes, como vitaminas ou minerais.

Também não deve ser usado para tratar envenenamento causada por produtos corrosivos como lixívia ou outros ácidos fortes ou produtos petrolíferos como a gasolina, querosene ou líquidos de de limpeza. O carvão pode fazer a condição piorar e atrasar o diagnóstico e o tratamento. O carvão ativado não mostra eficácia em casos de envenenamento por cianeto, etanol, ferro, lítio e metanol.

A substância não pode ser misturada a outros medicamentos como xaropes, ou a outros alimentos como sorvetes, iogurtes, chocolates com o intuito de tornar o gosto do carvão melhor. Estes alimentos podem atrapalhar a ação e prejudicar suas funções. Para o tratamento de diarreia, não deve ser tomado por períodos longos para que não interfira na absorção de nutrientes. Quando tomado para overdose ou envenenamento, o carvão pode causar constipação.

SUPLEMENTO NATURAL PARA CURAR ALCOOLISMO Noethyl Anti-Álcool
MELHORA A SAÚDE DO TRATO URINÁRIO Cran B
COMPOSTO NATURAL COM FITOESTROGÊNIO Isoflavona 500mg
MELHORA A SAÚDE DOS RINS QPR Blend
REMÉDIO NATURAL PARA ELIMINAR PEDRAS NOS RINS Dissol
Referências:
NEUVONEN, Pertti J.; OLKKOLA, Klaus T. Oral activated charcoal in the treatment of intoxications. Medical toxicology and adverse drug experience, v. 3, n. 1, p. 33-58, 1988.
Albertson, Timothy E., et al. “Superiority of activated charcoal alone compared with ipecac and activated charcoal in the treatment of acute toxic ingestions.” Annals of emergency medicine 18.1 (1989): 56-59.
DECKER, Walter J.; COMBS, Harold F.; CORBY, Donald G. Adsorption of drugs and poisons by activated charcoal. Toxicology and applied pharmacology, v. 13, n. 3, p. 454-460, 1968.
Sellers, E. M., V. Khouw, and L. Dolman. “Comparative drug adsorption by activated charcoal.” Journal of pharmaceutical sciences 66.11 (1977): 1640-1641.
BOND, G. Randall. Activated charcoal in the home: helpful and important or simply a distraction?. Pediatrics, v. 109, n. 1, p. 145-146, 2002.

Comentários

Comentar