Argila medicinal: conheça os benefícios e propriedades

Argila medicinal

A argila medicinal é um material orgânico rico em oligoelementos, incluindo alumínio, ferro, silício e zinco, substâncias ricas em propriedades medicinais.

Atualizado em 11/06/2024

A argila medicinal é um material orgânico rico em oligoelementos, tais como o silício, que participa da reconstrução dos tecidos; o alumínio e zinco, que atuam na cicatrização; ferro, que produz energia e oxigênio para as células, dentre outros elementos.

Benefícios da argila medicinal

A argila medicinal é amplamente utilizada na medicina tradicional e moderna devido às suas propriedades terapêuticas. As argilas medicinais possuem propriedades adstringentes, anti-inflamatórias, antioxidantes, antissépticas, cicatrizantes, descongestionantes, refrescantes, reconstrutoras, secativas e tensoras. Contudo, seus principais usos são destinados para as mais variadas condições e doenças de pele.

A substância pode ajudar a aliviar a dor e a inflamação em condições como artrite e dores musculares. Suas propriedades adsorventes permitem que ela elimine toxinas e impurezas da pele, tornando-a eficaz em tratamentos de pele para acne, eczema e outras dermatites. Além disso, promove a regeneração celular e acelera a cicatrização de feridas e úlceras cutâneas. A aplicação tópica pode melhorar a circulação sanguínea e linfática, ajudando a reduzir o inchaço e a promover a saúde geral da pele​

Tipos de argilas medicinais

As argilas devem ser aplicadas como cataplasma, e deverá ser de boa procedência, pura, não importando a cor, embora a coloração verde seja a mais fácil de manusear. Devem ser guardadas em embalagens que não enferrujem ou oxidem.

Argilas amarelas e verdes

Essa variação de cor amarela ou verde é indicada para peles oleosas, reduzem oleosidade, e também atuam na nutrição, purificação e hidratação, além de melhorar a elasticidade e combater o envelhecimento. Também podem ser usadas para peeling.

Argila branca

Rica em alumínio, zinco, potássio, silício, cálcio, ferro, e atua na pele, deixando-a mais macia, relaxada e hidratada.

Argila dourada

Sua ação é esfoliante e trabalha na limpeza e purificação da pele, removendo as células mortas. Além disso, é antioxidante, combatendo os efeitos dos radicais livres na pele, que podem ser produzidos pelos danos causados por diversos fatores, como cigarro, sol ou poluição.

Argila preta

Rica em enxofre, ela tem ação anti-inflamatória, reduz o estresse, desintoxica e age como adstringente, e por contribuir com a renovação celular da pele, ajuda a amenizar manchas de pele.

Argila rosa

Age como esfoliante, e remove células mortas da pele, inclusive ajudando no tratamento de algumas manchas de pele, pois lesionando a pele e permite que ela se regenere.

Argila roxa

Destaca-se pelo magnésio, que atua na produção de colágeno, sendo capaz de deixar a pele mais lisa e firme.

Argila vermelha

Possui ação antiestresse, e é benéfica para a pele por ter ação secativa, hidratante e fortalecedora, e também regula a microcirculação da pele, ajudando a reduzir os efeitos do envelhecimento.

História e curiosidades

Os antigos egípcios usavam a argila como um dos componentes no embalsamento das múmias e para a preservação de alimentos de origem animal. Na América, alguns grupos indígenas “enterravam” seus doentes, que eram colocados de corpo inteiro, na posição vertical, dentro de um buraco cavado na terra. Apenas a cabeça era deixada do lado de fora e o enfermo em contato com a terra por muitas horas. Esse tipo de tratamento era aplicado a doentes terminais.

Além disso, os índios utilizavam argilas medicinais quando eram picados por uma cobra venenosa ou ferroados por abelhas ou vespas, colocando a substância úmida sobre o ferimento, fazendo com que o local não inchasse e que a dor fosse eliminada em poucos instantes. Durante os ataques dos Estados Unidos, os coreanos (Guerra da Coréia) os vietnamitas (Guerra do Vietnã) empregaram o banho de argila para tratar queimaduras sérias, inclusive as provocadas por napalm. Ainda hoje no Japão, é utilizada para conservar ovos e alimentos de procedência animal.

Referências:
BENTLEY, P. H., & LAMBERT, R. J. W. Antimicrobial activity of bentonite clay suspensions against E. coli O157
and Salmonella spp. Applied Clay Science, 2015.
MURUGAN, R., & RAMAKRISHNA, S. Production of hydroxyapatite from natural sources. Acta Biomaterialia, 2006.
RANJAN, S., & DASGUPTA, N. Toxicity and efficacy of nanomaterials. Environmental Toxicology and Pharmacology, 2009.
RAY, S. S., & OKAMOTO, M. Polymer/layered silicate nanocomposites: a review from preparation to processing. Progress in Polymer Science, 2003.
História das Argillas Medicinais.
Medicinal clay. Wikipedia.